Agora é Obama x McCain

0
810

Entre os dois candidatos está o futuro presidente dos Estados Unidos

Depois de uma longa e, por vezes, dura batalha, o partido democrata finalmente tem oficialmente o seu candidato à presidência dos Estados Unidos. Ele é o senador Barack Obama, que alcançou esta condição depois das primárias de terça-feira, dia 3 de junho. Agora, Obama tem a maioria dos delegados e já supera a adversária e também senadora Hilary Clinton em adesões de super-delegados e, com isso, se torna o primeiro negro a disputar o cargo de governante da maior potência do mundo. O adversário nas urnas será o senador republicano John McCain, cuja indicação foi definida há mais de dois meses e, por isso, assisitu de camarote a briga entre os dois democratas.
A expectativa agora fica por conta dos parceiros de chapa dos dois candidatos: se de um lado McCain acena com o carismático governador da Flórida, Charlie Crist, Obama aguarda a decisão da ex-primeira dama no tocante ao papel que ela vai desempenhar no processo. Ou seja, o partido deve continuar fazendo história, pois Hillary pode se trasnsformar na primeira mulher vice-presidente do país. Até o momento, porém, a senadora ainda não havia acenado com essa possibilidade, mas é inegável que o sobrenome Clinton ainda exerce enorme influência na América.
O grande desafio de Obama, aliás, será unificar um partido dividido por uma disputa interna de cinco meses e que registrou gastos de centenas de milhões de dólares. Saindo do obscurantismo para chegar à atual posição, o senador por Illinois certamente tem cacife para atingir esse objetivo, já que seus discursos, aparições públicas e posições têm atraído, cada vez mais, multidões. Ele tem também o apoio de personagens importantes do partido, como o ex-presidente Jimmy Carter, o senador Ted Kennedy e o ex-candidato John Edwards. A coroação de Obama acontecerá em agosto, durante a convenção democrata.
“Hoje marcamos o fim de uma jornada histórica com o início de uma outra”, disse o candidato, garantindo que está comprometido em unir o partido para “retomar” a Casa Branca em novembro. A guerra será intensa. Depois da definição do concorrente democrata, McCain tratou de direcionar seus ataques: “Ele é um homem impressionante, que deixa uma grande primeira impressão. No entanto não tem mostrado disposição para tomar decisões difíceis, de desafiar seu partido, de arriscar receber críticas de seus simpatizantes e trazer a verdadeira mudança para Washington. Eu tenho”, garantiu o republicano.