Atilano Muradas

0
1341

Músico, escritor, jornalista, compositor e, sobretudo, mestre na arte de viver

Atilano MuradasÉ até possível que exista alguém na comunidade brasileira do sul da Flórida que jamais tenha ouvido falar de Atilano Muradas, mas acho difícil. Isso porque esse mineiro de Araguari está envolvido com muitas atividades: é possível vê-lo pela manhã apurando uma matéria para um dos periódicos para o qual colabora; à tarde pode ser encontrado dando aulas no workshop de música brasileira ou resolvendo questões da Associação Brasileira de Imprensa Internacional, da qual é secretário; e, à noite, você certamente o encontrará numa de suas apresentações de voz e violão, em algum restaurante de Pompano Beach e adjacências. O que pouca gente sabe é que a história de vida de Atilano é recheada de fatos interessantes e de uma luta vitoriosa contra uma doença rara e grave.

Atilano nasceu há 44 anos em um lar cristão e numa família de cantores e regentes do coral da igreja. Com cinco anos já cantava com os irmãos em apresentações musicais nas muitas viagens missionárias e aprendeu a ler utilizando a Bíblia e o Hinário, com a ajuda da mãe. Mas, apesar da forte influência evangélica e da companhia constante do pai, um amante da MPB e exímio violonista, acabou tendo contato, através do rádio, com Jacob do Bandolim, Valdir Azevedo, Turíbio Santos, Nelson Gonçalves, Pixinguinha e muitos outros artistas populares. Autodidata, aprendeu os primeiros acordes no violão ainda na adolescência e aos 14 anos compôs a sua primeira música.
Desta época é também o seu primeiro livro, de ficção científica, ainda inédito. “A literatura começava a disputar espaço em minha alma e eu navegava nas obras dos grandes autores, sonhando escrever livros que um dia estariam também nas prateleiras das bibliotecas”, confessa Atilano. A música, porém, ainda falava mais alto, especialmente depois que ouviu pela primeira vez o LP “Construção”, de Chico Buarque. Antes de completar a maioridade já havia composto mais de 300 canções, tanto cristãs quanto não-cristãs, e ele próprio admite que não imaginava fazer outra coisa na vida a não ser escrever e compor. “Havia encontrado na arte o que mais gostava na vida”. Hoje, já são mais de 600 músicas.

O sonho da trajetória artística foi deixado um pouco de lado a partir do ingresso como militar de carreira no Exército Brasileiro, em Três Corações. “Estar numa escola militar, aos 21 anos, não era, definitivamente, o meu sonho de vida. Praticamente, eu não tinha tempo para tocar violão, compor ou ler outras coisas”, recorda. Desta época, a única boa lembrança foi ter conhecido Isildinha, com quem está casado há 22 anos. O casal tem dois filhos, Atilano Júnior e Asaph Muradas.

O início da carreira de escritor foi em 1993, quando lançou o livro “Tocar violão é fácil”, unindo duas de suas grandes paixões, a música e a literatura. Mais tarde, vieram vários outros, inclusive o consagrado “A música dentro e fora da Igreja”, vencedor do Prêmio Areté, na categoria Literatura Cristã Nacional. O primeiro CD só apareceu em Brasília, em 1995 para onde havia sido transferido por conta do trabalho no Exército. Aos poucos começou a se apresentar em vários estados brasileiros e a participar de congressos evangélicos na condição de palestrante e cantor, cujas experiências acabaram por ser contadas no livro “Decolando nas asas do louvor”. Também escreveu sambas-enredo para uma escola de samba evangélica de Curitiba.

Em 2000, ele resgatou um antigo sonho de cursar Jornalismo. “Sentia-me no lugar certo, mas o destino me reservava uma grande experiência”, conta Atilano, referindo-se ao diagnóstico que recebeu de seu médico, em 2001: anemia aplástica, uma doença rara e grave que lhe consumiu dois anos de quimioterapia, e o fez cancelar todos os compromissos profissionais, mas não abandonou a faculdade. Curado, produziu com força total livros, CDs (inclusive infantis e de MPB) e até um trabalho com músicas de louvor em ritmos brasileiros, como choro, samba, frevo e bossa nova, entre outros.

Sua mudança para os Estados Unidos aconteceu em 2005, atendendo a um antigo desejo de morar fora do país natal e aprender inglês, além da busca pela melhor qualidade de vida e oportunidades para os filhos. “Atualmente, tenho várias obras inéditas e muitos sonhos, mas o importante é que estou me dedicando apenas à música e à literatura, as verdadeiras razões porque nasci”, explica Atilano No entanto, esses são assuntos que ele vai contar num futuro livro, sobre sua vida, que ele deve preparar em breve.

Até lá, o artista pode ser visto na RIT TV, no programa “RITmo Brasileiro”, que ele apresenta semanalmente. E os que apreciam a boa música brasileira não podem perder suas apresentações, nas noites de sexta-feira, no restaurante Feijão com Arroz, em Pompano Beach, e ainda nos bares Piola (Hallendale) e Boteco (Miami). A partir de junho, Atilano Muradas estará em turnê no Brasil e nos Estados Unidos. Os contatos com o artista podem ser feitos pelo e-mail atilanomuradas@uol.com.br.