Banco Central lança novas cédulas de R$ 10 e R$ 20

0
476

As notas terão mais dispositivos para dificultar a falsificação

O Banco Central (BC) do Brasil lançou na segunda-feira (23) as cédulas de R$10 e R$20 da segunda família do real. Em dezembro de 2010, o BC já havia lançado as cédulas de R$50 e R$100, da segunda família. Na época, a instituição informou que o lançamento era necessário para dar às cédulas recursos gráficos e elementos antifalsificação mais modernos. As notas de R$ 2 e R$ 5 serão lançadas em 2013, ainda sem data definida.

De acordo com o BC, a segunda geração de cédulas do real terá circulação simultânea com as cédulas antigas. As novas notas entrarão em circulação através dos bancos comerciais, dos caixas automáticos e da rede de comércio. Não há necessidade de trocar as notas antigas por novas na rede bancária, pois as duas famílias conviverão em circulação por prazo indeterminado.

Os novos equipamentos de impressão podem fazer desenhos mais complexos e com maior precisão. Isso vai gerar mais segurança, segundo o BC, dificultando a falsificação. Além disso, alguns elementos já presentes na primeira família como a marca d’água e o número escondido foram redesenhados de modo a facilitar a sua verificação pela população. Outra mudança importante são os tamanhos das novas notas e cores mais fortes.

Nas novas notas de R$50 e R$100, por exemplo, as preferidas por falsificadores, a novidade é a faixa holográfica, composta por desenhos descontínuos que, ao serem movimentados, apresentam efeitos de alternância de cores e formas. Este é um dos mais sofisticados elementos antifalsificação existentes no mercado.

Espera-se para as notas de R$ 50 e R$ 100 da segunda família, duração semelhante às da primeira família, que duram em média 3 anos e 8 meses e 5 anos respectivamente. As notas de baixa denominação, a serem lançadas posteriormente, sofrerão tratamento para aumento de sua vida útil. O Banco Central não deve fazer alterações com a nota de 1 (um) real. A prioridade neste caso é a emissão de moedas, que apresentam uma relação custo-benefício muito superior à das notas, em função de sua durabilidade.