BOLETIM COPA 2014: Copa do Mundo 2014 acelerará a economia brasileira

0
643

A Copa do Mundo de 2014 deverá gerar uma injeção de R$ 142 bilhões na economia brasileira entre os anos de 2010 e 2014. O número leva em conta investimentos diretos e o impacto sobre a produção nacional de bens e serviços. Os setores com maior potencial de benefício são, entre outros, construção civil, turismo, hotelaria, serviços, alimentos e bebidas.

O diagnóstico é de um estudo feito pela Ernst & Young e pela FGV (Fundação Getúlio Vargas). A análise aponta ainda a geração de até 3,6 milhões de empregos por ano no país. O cenário de referência adotado no documento aponta que a Copa vai produzir um efeito cascata nos investimentos realizados no Brasil. A economia deslanchará como uma bola de neve, sendo capaz de quintuplicar o total de aportes aplicados diretamente na concretização do evento e impactar diversos setores, afirmam os autores do estudo.

As entidades consideram que os gastos com a preparação do evento são da ordem de R$ 22,46 bilhões, recursos destinados a projetos de infraestrutura e organização. O TCU (Tribunal de Contas da União), porém, calcula que o poder público consumirá R$ 27,4 bilhões com a organização do evento, e considera que esta previsão pode e deverá subir até 2014.

De acordo com o estudo, a competição deverá injetar, adicionalmente, R$ 112,79 bilhões na economia brasileira, com a produção em cadeia de efeitos indiretos e induzidos. No total, o país movimentará R$ 142,39 bilhões adicionais no período 2010-2014, gerando 3,63 milhões de empregos-ano e R$ 63,48 bilhões de renda para a população, o que vai impactar, inevitavelmente, o mercado de consumo interno.

Essa produção também deverá ocasionar uma arrecadação tributária adicional de R$ 18,13 bilhões aos cofres de municípios, estados e federação, sempre segundo o estudo da FGV. O impacto direto da Copa do Mundo no PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro é estimado em R$ 64,5 bilhões para o período 2010-2014 – valor que corresponde a 2,17% do valor estimado do PIB para 2010, de R$ 2,9 trilhões.