Histórico

Brasileira é presa em Nova York por comandar rede de prostituição

Outra garota brasileira também foi presa, cumprirá pena e será deportada para o Brasil.

A capixaba Andrea Schwartz, 31 anos, está presa desde o dia 1º, nos Estados Unidos, acusada de chefiar uma rede de prostituição de luxo em Nova York. Andrea, que também foi indiciada por tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, teria faturado US$ 1,5 milhão desde 2001 com a exploração de garotas brasileiras levadas ilegalmente ao país, segundo notícia publicada na revista IstoÉ Gente.

Os encontros aconteciam em seu apartamento de três quartos, nas proximidades do Central Park. Ali, um programa podia sair por até US$ 2 mil. O esquema foi deflagrado após um investigador de polícia se passar por cliente e efetuar a prisão em flagrante.

Na quarta-feira 14, a brasileira Cláudia de Castro, 25 anos, também foi presa no prédio de Andrea. Se condenada, ela será deportada depois de cumprir um ano de prisão. Já Andrea, que apresentou à polícia três passaportes (brasileiro, americano e italiano) e não teve direito a fiança, pode pegar até 15 anos de reclusão.