Brasileira presencia desespero na queda de avião em Fort Lauderdale

0
963

Bia Ruelles foi a primeira a chegar ao local do acidente

A depiladora brasileira Bia Ruelles estava atendendo a uma cliente na manhã de sexta-feira quando foi surpreendida por um estrondo forte, vindo da casa ao lado da sua. Ao chegar na janela, ela se deparou com uma cena terrível: o bimotor Cessna começava a pegar fogo, depois de ter caído na casa do vizinho por problemas no motor, minutos após ter decolado do Aeroporto Executivo de Fort Lauderdale. A brasileira foi a primeira a chegar ao local do acidente e ainda presenciou o desespero de uma pessoa que estava tentando sair da aeronave.
“Foi horrível, uma cena que jamais vou esquecer”, disse Bia, que chegou a pegar uma mangueira em sua casa para tentar apagar o fogo no avião. Natural de Mato Grosso, ela contou que o bimotor chegou a cortar a fiação da sua rua e por pouco não atingiu sua casa: “Foi Deus quem me salvou, pois poderia estar morta agora”, afirmou emocionada a brasileira. Ela chegou a apenas três metros de distância do Cessna em chamas e foi atingida por faíscas da explosão e teve queimaduras leves. Bia também aproveitou para filmar e fotografar a cena do acidente e suas imagens foram exibidas por várias emissoras de televisão logo após o acidente.
O avião atingiu uma casa na Northwest First Avenue, em Oakland Park. Até a tarde de sexta os moradores ainda estavam sem energia naquela região, pois a FPL cortou temporariamente o fornecimento de energia.
Como outros residentes daquela região, a brasileira também reclamou do intenso tráfego aéreo daquele aeroporto. “Vários aviões costumam sobrevoar essa área com o motor falhando ou com outros problemas, colocando em risco as famílias que vivem aqui”, acrescentou Bia. Uma outra moradora, Kerrie Interlandi, disse que “acidentes com estes aviões pequenos acontecem sempre na vizinhança”. De fato, o Aeroporto Executivo de Fort Lauderdale é um dos mais perigosos do país: nos últimos 40 meses, oito pessoas já morreram em ocorrências logo após a decolagem daquela pista.