Brasileiro sofre de generosidade patológica após derrame cerebral

0
947

Seu caso está sendo estudado nos EUA pela particularidade dos efeitos após o AVC

Da Redação com uol – Um brasileiro, de 49 anos, do Rio de Janeiro desenvolveu uma generosidade patológica após ter sofrido um AVC (acidente vascular cerebral). Ele começou a dar dinheiro, alimentos e bebidas em excesso para pessoas necessitadas depois que o acidente afetou parte do cérebro relacionada à reflexão e tomada de decisão.

Segundo a esposa, o homem gasta o dinheiro com comida e bebida para as crianças na rua e foi incapaz de retomar o seu trabalho em uma grande empresa após o AVC. Outros traços do comportamento do brasileiro foram depressão, problemas de memória e incapacidade de se concentrar. O brasileiro, cujo nome não foi revelado pelos pesquisadores, passou por uma tomografia computadorizada que mostrou baixo fluxo sanguíneo em várias regiões do cérebro, incluindo as áreas do lobo frontal.

Para os pesquisadores, como as regiões estão ligadas por caminhos neurais, uma interrupção nesses sistemas pode ter contribuído para as mudanças de personalidade. Depois de tomar medicamentos para tratar a depressão, o brasileiro se sentiu curado depois de dois anos, mas sua generosidade não foi alterada.

O caso foi estudado por pesquisadores da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) que concluíram que a generosidade excessiva e permanente do homem de 49 anos foi causada por uma hemorragia no cérebro após o AVC. O estudo foi publicado na revista americana Neurocase.

Os médicos foram capazes de identificar que o acidente ocorreu na região subcortical do cérebro do homem. No entanto, segundo os especialistas, saber o local exato do acidente não ajuda a prever mudanças no comportamento ou personalidade. O Centro de AVC da Universidade de Duke afirmou que o caso era bastante peculiar e o caso do brasileiro, em particular, é aparentemente novo. Médicos afirmam que é esperado após o AVC pacientes desenvolver uma variedade de alterações neuropsicológicas e comportamentais. A depressão é a mudança emocional mais comum entre os pacientes que sofrem danos cerebrais causados pela baixa oferta de oxigênio.

Estudos anteriores já indicavam que certas estruturas cerebrais, incluindo a região que registra a recompensa, estavam envolvidos com casos de generosidade, como a satisfação de fazer uma doação anônima. Os pesquisadores acreditam que a condição do brasileiro pode ajudar a entender a relação entre o “altruísmo e egoísmo”, que são cruciais para a tomada de decisão.

Quando questionado pelos pesquisadores se gostaria de voltar ao trabalho, o brasileiro afirmou que já tinha trabalhado o suficiente e que era hora de “aproveitar a vida que é muito curta”. O homem também disse aos médicos que estava ciente das mudanças em seu comportamento e alegou que “viu a morte de perto” e queria ser uma pessoa melhor desde então.