Carol Saboya lança seu CD ‘Belezas’ nos Estados Unidos

0
604

Com canções de Ivan Lins e Milton Nascimento, ela dá novas roupagens a clássicos da MPB

Já reconhecida como excelente intérprete no Brasil e no Japão, com álbuns lançados, Carol Saboya está fazendo a estreia em solo americano, em 10 de julho, de seu mais novo disco: Belezas: A Música de Ivan Lins e Milton Nascimento. O CD, do selo AAM Music, inclui convidados como o saxofonista Dave Liebman e o mestre da harmônica Hendrik Meurkens, e tem os arranjos e a produção do conceituado pianista Antonio Adolfo, pai de Carol Saboya.

Depois de ter gravado anteriormente um álbum baseado nas canções de Antonio Carlos Jobim, Carol Saboya decidiu acrescentar algo diferente em seu novo disco. Pensei em grandes compositores brasileiros que são conhecidos nos Estados Unidos, e Ivan Lins e Milton Nascimento têm tudo a ver, diz. Eles são modernos e não são da bossa nova. Eles têm grandes harmonias e lindas melodias, e suas canções realmente inclinam-se mais para o jazz.

Interpretações em português e em inglês

Em ‘Belezas’, Carol Saboya canta tanto em português como em inglês, incluindo uma nova tradução de Estrela Guia de Ivan Lins um hino a Milton Nascimento feita por Kim Nazarian, do New York Voices, que foi indicada pelo próprio compositor para este projeto. Outras canções de Lins no CD são Abre Alas, uma canção de protesto dos anos 70 contra a ditadura militar brasileira; Doce Presença, com letra em inglês de Jane Monheit; e Soberana Rosa, que Carol canta tanto em inglês (letra de Brenda Russell) como em português.

Entre as músicas de Milton Nascimento estão Bola de Meia, Bola de Gude, um animado baião/maracatu que data do início da carreira de Nascimento; Tarde uma das suas mais belas baladas (com Dave Liebman no saxofone tenor); Três Pontas, inspirado por uma estação de trem na pequena cidade de Três Pontas, em Minas Gerais, onde o artista cresceu; e Beleza e Canção, apresentada num estilo afoxé brasileiro.

Entre os desafios do arranjador, Adolfo diz: Tentei construir esta ponte entre Milton e Ivan, para que você não possa distinguir um do outro. Trouxe um pouco do estilo harmônico de Ivan para Milton e vice-versa, aqueles intervalos de quartas criados por McCoy Tyner e Chick Corea. Em uma canção de Ivan, uso frases da primeira canção que Milton apresentou em um festival em 1967. Eles têm muita coisa em comum. Eles surgiram na mesma época, quando havia um forte movimento musical.

Músicos de primeira linha

Carol Saboya conta com um quarteto de primeira linha, formado por Antonio Adolfo no piano; Jorge Helder no baixo (que toca frequentemente com Chico Buarque e Maria Bethânia); Rafael Barata na bateria (Edu Lobo, Rosa Passos, Mônica Salmaso); e o guitarrista Claudio Spiewak, que gravou com um amplo leque de artistas latinos, de Nestor Torres a Elba Ramalho.

Carol flutua com o grupo com suas dinâmicas flexíveis e sua voz suave e muito energética, diz Adolfo. Eu pedi à banda para não tocar grooves como bossa nova. Queria que eles tocassem bem livremente, e ela é como o quinto músico.

De certa maneira, Belezas é uma reintrodução de Carol Saboya aos EUA, onde ela viveu alguns anos durante sua adolescência em Los Angeles. A mais velha das duas filhas de Adolfo, Carol, agora com 37 anos, gravou seu primeiro disco aos oito, mas começous sua carreira profissional como adulta no ábum Brasileiro, de Sergio Mendes, vencedor do prêmio Grammy em 1992, gravado durante a permanência temporária da família no sul da Califórnia. Quando a família retornou ao Rio, Carol continuou a estudar e a refinar sua habilidade, lançando um fantástico álbum de estreia em 1997, Dança da Voz, que ganhou o Prêmio Sharp do Brasil como melhor nova cantora pop (MPB).
Outros discos

Carol Saboya lançou outros álbuns aclamados pela crítica, inclusive uma session em 1999 explorando a música de Jobim com o guitarrista Nelson Faria, em Janelas Abertas. Em 2007, pai e filha lançaram Antonio Adolfo e Carol Saboya Ao Vivo, seguido por Lá e Cá, em 2010, dedicado aos clássicos do jazz jazz e às joias do cancioneiro americano. É uma carta de amor do artista brasileiro ao jazz americano, uma paixão que Adolfo passou para sua filha.

Há muitos outros grandes compositores no Brasil, e é uma honra ser capaz de interpretá-los, diz Carol Saboya. Posso fazer algo diferente com estas canções. Vai demorar um pouco, mas eu sempre soube que Ivan e Milton estavam lá, esperando por mim.

Só nos resta torcer para que ela descubra outras preciosidades.