Casal brasileiro divide sua história de Valentine’s Day com os leitores do AcheiUSA

0
580

Erika e Aender Sampaio se conheceram por acaso e hoje comemoram seu primeiro Valentine’s Day nos EUA

Joselina Reis

Com a chegada do dia 14 de fevereiro (Dia de São Valentim), data em que os americanos comemoram o Valentine’s Day, um casal de brasileiros tem muito a comemorar. Finalmente a data será celebrada nos Estados Unidos após mais de um ano entre a ponta aérea Natal-Miami. No Brasil, o Dia dos Namorados é comemorado no dia 12 de junho, véspera de Santo Antônio, outro santo católico com fama de casamenteiro.

Erika e Aender se conheceram como manda as boas histórias de amor, em um casamento. “Um dia, uma amiga que morava em Boston (MA) me ligou, eu morava no Brasil, ela queria que eu fosse a madrinha de casamento. Lógico que aceitei e comecei a resolver as pendências com vistos”, lembra ela que trabalhava como representante de indústria farmacêutica e foi para Boston apenas com o intuito de ajudar a amiga em dezembro de 2012.

“As únicas coisas que passavam pela minha cabeça eram: dias de descanso, com muito frio, muita neve e o casamento. Mas, como a vida é uma caixinha de surpresas, mal poderia imaginar a surpresa que esse destino iria me proporcionar”, conta ela animada com o resultado da viagem. Para sua supresa, seu par durante o casamento era justamente o empresário brasileiro, Aender Sampaio, 39 anos.

Ele morava na Flórida e o casamento dos amigos se tornou o ponto de partida de uma história romântica. Os dois começaram um romance à distância e assim foi durante todo o ano de 2013. “Nós tivemos um ano de namoro na ponte aérea EUA-Brasil. Foi um desafio grande!”, conta Erika, de 29 anos.

No começo, conta a brasileira, driblar a distância não foi fácil. “Tudo começou com um questionamento: se fosse para namorarmos, como seria? Essa foi a pergunta que jamais imaginaria ouvir para o momento que estava vivendo, mas respondi sem rodeios: se fosse para manter um relacionamento à distância teríamos que ter muita determinação, teríamos que nos encontrarmos com certa frequência, falarmos e nos vermos preferencialmente todos os dias, confiança seria a base de tudo, com respeito mútuo e, se fosse para ser assim, seria para vida toda”, enfatiza.

Para os que pensam que a distância afasta as pessoas, Aender lembra que a história dos dois é uma prova viva de que a distância também pode unir duas pessoas dispostas a construir um futuro em comum. “Não foi fácil viver essa ponte aérea, mas valeu muito a pena compartilhar grandes momentos em um curto espaço de tempo”, disse o pequeno empresário mineiro que vive há 20 anos nos EUA.

Os dois tiveram que driblar o trabalho, feriados e dias de folga com os preços da passagem de avião que flutuavam de acordo com o valor do dólar. “Mas quando se quer, tudo se torna possível, e por mais curta que algumas viagens tenham sido, sempre valeram a pena”, conta Aender.

Os dois lembram que após alguns meses na cara ponte aérea resolveram por um fim no problema. “Quando a saudade apertou e os corações já não podiam mais esperar pelo próximo reencontro. Em outubro dei um passo importante, me mudei para Boca Raton e em dezembro dissemos ‘sim’, com a certeza de que esse destino já estava traçado em nossas vidas”, conta a romântica paulista que antes de se mudar para Flórida morou por 13 anos no estado do Rio Grande do Norte.

Para o primeiro Valentine’s Day na América os dois planejam fazer exatamente o oposto dos outros casais. Eles querem ficar em casa. “É o nosso primeiro Valentine’s juntos. Vamos comemorar com um jantar em casa, que será preparado pelo meu marido, que tambem foi chef de cozinha. Sempre que podemos, gostamos de ficar em casa na companhia um do outro, de beber um bom vinho e assistir um bom filme. Talvez isso aconteça pelo fato de termos ficado tanto tempo separados”, explica Erika que em 2013 até que tentou comemorar a data nos EUA, mas teve que retornar ao Brasil três dias antes.

Aos que acreditam em destino ou na filosofia de que nada acontece por acaso, Erika garante que histórias como a sua podem até serem difíceis de acontecer, porém não impossíveis. “Estamos felizes juntos e desde que nos ‘encontramos’ temos a sensação de que estamos apenas dando continuidade em uma história que talvez já vivemos em outras vidas, tamanha é nossa afinidade”, comemora.