Chefão da Apple, Tim Cook surpreende ao assumir publicamente sua homossexualidade

0
483

Executivo, que sucedeu Steve Jobs à frente da gigante americana, é um dos mais importantes do mundo dos negócios

DA REDAÇÃO COM G1

Chefão da Apple, Tim Cook surpreende ao assumir publicamente sua homossexualidadeO presidente-executivo da Apple, Tim Cook, surpreendeu o mundo da economia e dos negócios ao assumir ser gay em artigo publicado no site da revista “Bloomberg Businessweek”. De acordo com o texto assinado pelo executivo, que sucedeu Steve Jobs à frente da gigante norte-americana de tecnologia, a atmosfera da empresa, de tolerância e respeito às diferenças, o ajudou a assumir sua orientação sexual publicamente. “Ao longo da minha vida profissional, eu tentei manter um nível básico de privacidade”, escreve no início do artigo. “A Apple já é uma das companhias do mundo mais observadas de perto do mundo, e eu gostaria de manter o foco nos nossos produtos e nas incríveis coisas que nossos consumidores pretendem com eles.”

“Por anos, eu tenho sido aberto com muitas pessoas sobre a minha orientação sexual. Muitos colegas na Apple sabem que eu sou gay, e isso não parece fazer diferença no modo como eles me tratam”, revelou o executivo.

Cook afirmou que revelar publicamente sua opção sexual não é uma escolha fácil, pois tem dedicado sua vida ao trabalho, mas que “parte do progresso social é a compreensão de que uma pessoa não é definida apenas por sua sexualidade, raça ou gênero”. Cook acredita ter “sorte” por ser aceito em sua empresa, o que não ocorre com todo mundo. “Eu tenho orgulho de ser gay e considero ser gay um dos maiores dons que Deus me deu”, afirmou.

A dificuldade em ter de lidar com a discriminação à sua orientação sexual, conta, deu a ele “pele de um rinoceronte, o que vem a calhar quando você é o CEO da Apple”. “Ser gay me deu uma entendimento mais profundo do que significa ser minoria e abre uma janela que mostra os desafios que pessoas de outras minorias têm de enfrentar todo dia”, escreveu.

No texto, Cook cita o líder do movimento negro Martin Luther King e o ex-senador norte-americano Robert F. Kennedy como pessoas que dedicaram suas vidas a causas em prol de outras pessoas. O executivo afirma que sempre se perguntou sobre o que poderia fazer pelos outros.

“Eu não me considero um ativista, mas eu percebo quando eu tenho me beneficiado do sacrifício de outros. Então se ouvir que o CEO da Apple é gay pode ajudar alguém lutando para chegar à ciência de quem ele ou ela são, ou trazer algum conforto a qualquer um que se sinta sozinho, ou inspirar as pessoas a insistir em sua igualdade, então vale a pena trocar isso pela minha privacidade.”

“Eu não pretendo que o que eu escrevi me coloque na liga deles `de Martin Luther King e Robert F. Kennedy`”, brinca Cook, fazendo menção aos dois líderes norte-americanos assassinados. “Eu estou fazendo minha parte, ainda que pequena, para ajudar os outros. “Nós pavimentamos o caminho iluminado pelo sol em busca de justiça juntos, tijolo por tijolo. Esse é o meu tijolo”, finalizou o executivo.