Corte de apelações suspende deportação de sete imigrantes

0
475

Infelizmente o brasileiro Luiz Freire Sobrinho não teve a mesma sorte dos outros indocumentados

Um tribunal federal de apelações testou a nova diretriz de imigração do governo de Barack Obama ao suspender a deportação de sete imigrantes que estavam no país sem autorização legal.

Em uma decisão com votação de 2 a 1, a Corte de Apelações do 9º Circuito exigiu que o governo explique se os imigrantes podem evitar a deportação, devido a duas mensagens divulgadas no ano passado pelo diretor do serviço de imigração e alfândega, John Morton, em que propõe aos oficiais usar “critério” na hora de decidir em casos de imigração.

Morton disse que os oficiais deveriam levar em conta fatores como servir nas forças armadas americanas, antecedentes criminais, laços familiares e tempo de estadia no país quando decidem se iniciam ou não um processo formal de deportação contra imigrantes indocumentados.

O tribunal ordenou ao governo tomar uma decisão sobre sete pessoas em cinco casos para 19 de março. Os imigrantes parecem todos carecer de antecedentes criminais e ajustar-se ao critério expresso nas mensagens, concluíram os juízes de apelações. A ordem provocou um forte desacordo do juiz Diarmuid F. O’Scannlain e acusações de “ativismo judicial” por parte de um destacado parlamentar republicano.

“A decisão do Nono Circuito de suspender cinco casos de deportação é uma extrapolação da autoridade judicial e mostra o perigo inerente das políticas de anistia após declarações do governo de Obama”, disse o representante republicano Lamar Smith, que preside o Comitê Judicial da Câmara.

O’Scannlain fustigou os juízes William Canby Jr. e Raymond Fisher por emitir uma ordem que chamou de um “decisão atrevida” e disse que os juízes não tinham autoridade para fazer estas exigências aos oficiais.

O governo de Obama disse que quer focar as deportações em membros de gangues, criminosos e outras pessoas consideradas mais perigosas do que mulheres grávidas, estudantes e residentes de muito tempo sem antecedentes criminais.

Brasileiro deportado

Já o brasileiro Luis Freire Sobrinho não teve esta sorte. Ele foi mandado de volta para São Paulo no último dia 6 de fevereiro, apesar de preencher os requisitos de ser um cidadão cumpridor de deveres e morar há muito tempo no país. Ele veio para cá em 1998, e um ano depois trouxe a família – mulher e quatro filhos.

Durante este período, Luis se tornou um mestre em marcenaria e um dedicado marido, pai e membro de sua comunidade.

Nem mesmo uma campanha de arrecadação de assinaturas foi capaz de impedir a deportação.

Ele foi pego no dia 24 de janeiro de 2012 depois de ter deixado sua filha de oito anos na escola. Agentes do ICE entraram em sua casa com armas em punho e interrogaram Luis e sua família.

Luis foi levado pelo ICE aquela manhã e sua família está sofrendo, porque ele era o provedor da casa. O que Luis e sua família fizeram para ser separados tão violentamente? Apenas tinha o visto expirado.

Sidney do Carmo, mulher de Luis e mãe de seus seis filhos, está fazendo o possível para suprir a ausência do marido. Sem sua fonte de renda, Sidney e quatro de seus filhos estão vivendo da caridade da igreja, amigos, vizinhos e familiares. Para piorar, , Sidney está tendo de lidar com o deterioramento físico e mental de uma das filhas menores do casal.