Criança brasileira desaparecida é encontrada nas Filipinas

0
683

Joselina Reis

Depois de mais de três meses de agonia, finalmente a tocantinense Oziene Vieira Barbosa, de 25 anos, vai poder reencontrar a filha Ieda Alexandra Levin, de 2 anos. A garota foi sequestrada pelo pai, o ucraniano Alexander Levin, em junho durante uma viagem de férias à Europa e deixada na casa de uma desconhecida nas Filipinas. Na manhã de segunda-feira (14), a babá filipina foi presa e Ieda entrega às autoridades.

Oziene conseguiu do governo tocantinense a doação das passagens e ela embarca sexta-feira (18) para as Filipinas. A brasileira autorizou que a filha fosse transferida de um abrigo para a embaixada brasileira e ficasse aos cuidados dos funcionários da entidade. Ela deve ficar no país por alguns dias para resolver os trâmites legais da saída de Ieda já que a menina estava nas Filipinas ilegalmente e sem documentos.

Segundo Oziene, Alexander Levin encontrou uma senhora em um mercado e perguntou se ela poderia ser a babá de Ieda enquanto ele resolveria problemas legais no Canadá. A mulher levou a menina para casa e cuidou dela junto com seus outros três filhos. Aparentemente, Levin mandaria dinheiro para a babá. “Eu quero ter a oportunidade de falar com essa mulher e saber o que realmente aconteceu” , contou a tocantinense, que disse estar bem mais calma depois que viu pelo Skype que a menina está bem.

Ao ser preso na sexta-feira (11) no Canadá, Levin entregou o endereço da babá. Como o caso já estava na lista da Interpol de crianças sequestradas, os policiais comunicaram o governo filipino ainda no fim de semana que prenderiam a babá e retirariam a menina da casa. O desenlance aconteceu na madrugada de segunda-feira com a mulher sendo presa ao tentar sair de sua casa.

Caso

Depois de vários convites para viagem, Oziene Vieira finalmente resolveu aceitar sair do Brasil com o ex-namorado, pai de sua filha de dois anos. Isso aconteceu em junho deste ano e, após passar por vários países, ao chegarem à Ucrânia, Levin pediu para ir ao supermercado com a menina e não retornou.

Alexander Levin, um ucraniano naturalizado canadense, tinha negócios no Brasil e visitava Palmas (TO) constantemente, onde conheceu Oziene. Com o desaparecimento da filha, Oziene comunicou às autoridades e fez um apelo pelas redes sociais. Com a ajuda da Defensoria Pública de Palmas localizou Levin, no Canadá, com sua outra família (esposa e três filhos).

A polícia canandense o interrogou inúmeras vezes, mas somente na sexta-feira (11) o prendeu. Ele deve continuar preso e responder por sequestro internacional no Canadá e no Brasil.