Detenções de imigrantes ilegais na fronteira México-EUA caem 30%

0
511

O número de pessoas detidas por tentar entrar ilegalmente nos Estados Unidos passando pelo México caiu 30% desde setembro do ano passado, informou a Patrulha Fronteiriça americana. A queda é, segundo a patrulha, conseqüência do aumento dos controles de fronteira e não da mudança de rota nos fluxos migratórios

As capturas de imigrantes ilegais “não mexicanos”, centro-americanos na maioria, também diminuíram, acrescentou Aguilar.

O diretor da Patrulha Fronteiriça não divulgou o número total de detenções, mas disse que em 2006 houve 1,1 milhão de capturas e em 2005 cerca de 1,3 milhão.

Além disso, o funcionário anunciou o aumento do efetivo de pessoal, de novas tecnologias e a construção de novos muros para melhorar a segurança na fronteira.

Operação

Segundo Aguilar, um dos fatores que colaboraram para a diminuição do número de detenções foi a operação “Streamline 2”, colocada em prática no meio de ano passado na fronteira do Texas.

Com o plano piloto, que futuramente pode ser aplicado em outras áreas, os imigrantes ilegais respondem a um processo penal e podem ficar presos por cerca de 180 dias antes de serem deportados a seu país de origem.

A medida judicial impede que retornem aos EUA sob qualquer circunstância. Se forem detidos novamente tentando entrar de forma ilegal no país, são acusados por grave delito e ficam presos por vários anos.

“Nessa área específica, o número de detenções caiu 65%”, disse Aguilar.

Outras regiões onde as detenções também diminuíram foram o corredor Yuma-San Luis –com queda de 68%, e em McAllen-Matamoros– com diminuição de 42%.

Efetivos

Aguilar disse que há 14 mil efetivos da Patrulha Fronteiriça. A intenção é que o número chegue a 14.800 até o fim do ano e a 18.500 em 2008.

A este contingente somam-se 6.000 soldados da Guarda Nacional (Exército) que chegaram em meados de 2006 e que continuarão na região.

O funcionário da Patrulha Fronteiriça lembrou ainda que no fim de junho o sistema “Secure Border Initiative” (Iniciativa de Segurança Fronteiriça) começará a funcionar. Ele nada mais é do que uma cerca virtual com detectores de movimento, câmeras com raios infravermelhos e aeronaves não tripuladas para evitar cruzamentos ilegais.

Inicialmente será implantado em 45 km da fronteira Arizona-Sonora, na altura de Sásabe e próximo da cidade americana de Tucson.

Os modernos equipamentos permitirão “identificar, detectar, classificar e resolver mais de 95% das entradas ilegais”, afirmou.

“Esperamos que no fim de 2008 toda a fronteira do Arizona, parte da fronteira do Novo México e parte da fronteira com o Texas estejam sob esse sistema tecnológico”, acrescentou.

Muro

Aguilar informou também que os EUA estão construindo um muro no Arizona, que até outubro terá mais 112 km e no ano que vem erguerão outros 362 km em outras regiões.

Na entrevista coletiva, o chefe de polícia informou que entre setembro de 2006 e abril de 2007 morreram 153 imigrantes ilegais na fronteira, enquanto no mesmo período, entre 2005 e 2006, o número foi de 166, o que representa queda de 8%.

Ele explicou que, desde fevereiro de 2005, a Patrulha Fronteiriça sofreu 1.799 agressões (490 só este ano), e seus efetivos usaram armas de fogo em 112 ocasiões, deixando 12 mortos e 16 feridos.

“As agressões contra os oficiais são muitas, mas as situações nas quais respondemos com atividade letal são mínimas e são situações nas quais os oficiais não têm outra alternativa”, argumentou.

Há cerca de 11 milhões de pessoas que nasceram no México vivendo nos EUA– das quais a metade não tem documentos– e 20 milhões de origem mexicana, com ou sem documentos.

Além disso, calcula-se que, a cada ano, meio milhão de pessoas tentam entrar ilegalmente pela fronteira mexicano-americana.

Ano passado, Washington anunciou a construção de um muro de 1.126 km na fronteira territorial, que será somado aos outros já existentes em muitas áreas fronteiriças.

Matérias relacionadas
Senado americano tenta alcançar acordo sobre reforma migratória
Senado recebe quarto projeto de reforma imigratória