Dono da boate Kiss e dois músicos da banda são presos

0
769

Eles estão sendo apontados como responsáveis pela tragédia que matou 233 pessoas em Santa Maria (RS)

DA REDAÇÃO COM UOL – A Polícia Civil do Rio Grande do Sul confirmou pouco depois das 11h desta segunda-feira (28) as prisões de um dos proprietários da boate Kiss, de Santa Maria (301 km de Porto Alegre), e de dois músicos da banda Gurizada Fandangueira. O grupo se apresentava no local, na madrugada desse domingo (28), quando um incêndio tomou conta da boate e deixou mais de 230 mortos.

Um dos delegados do caso, Antonio Firmino Neto, disse que um quarto e último mandado de prisão preventiva será cumprido “nas próximas horas” com a apresentação de um terceiro integrante da banda. Entre os presos, afirmou o policial, dois deles –os dois músicos –já prestaram depoimento hoje cedo. “Eles assumem que usaram pirotecnia no show, mas, obviamente, tentam se livrar da responsabilidade pelo caso”, declarou o delegado. Conforme a Polícia Civil, os dois integrantes da banda foram presos nos municípios gaúchos de Mata e São Pedro do Sul.

Mais cedo, o advogado do empresário Elissandro Callegaro Spohr (um dos donos da Kiss), Jader Marques, confirmou a prisão do cliente, internado desde ontem (27) em um hospital de Cruz Alta (RS). De acordo com Marques, “Kiko”, como Spohr é conhecido, teve de ser hospitalizado devido à inalação de fumaça e está sob custódia policial.

De acordo com o advogado de Spohr, o empresário passa por desintoxicação da fumaça inalada no incêndio. “Estou indo até ele, pois a informação que recebi foi a da prisão”,Ele resumiu que “Kiko está absolutamente à disposição da Justiça”, resumiu.
Ontem de madrugada, um incêndio no interior da boate Kiss causou a morte de 231 jovens — a maioria entre 16 e 20 anos.
Ministério Público quer prisões

Hoje de manhã (28), em entrevista à rádio Gaúcha em Santa Maria, a promotora responsável pela 3ª Vara Criminal de Santa Maria, Waleska Flores Agostini, afirmou que o Ministério Público pediria a prisão preventiva de responsáveis pelo incêndio ainda esta semana.
“Isso é possível”, disse a promotora, que confirmou ainda pedidos de mandados de busca e apreensão obtidos na Justiça, pelo Ministério Público, nas casas dos proprietários da boate.

Por outro lado, a promotora preferiu não especificar os alvos dos pedidos de prisão — se dos donos da boate, de integrantes da banda Gurizada Fandangueira ou de outros envolvidos no caso. A promotora informou ainda que ontem mesmo o MP já obteve resposta favorável da Justiça a medidas cautelares que pediram busca e apreensão nas casas dos proprietários da boate.

“O procurador-geral de Justiça do Estado designou promotores para acompanhar essa investigação”, disse a promotora, que citou os depoimentos colhidos pela Polícia Civil e “algumas providências do MP” como importantes para os passos seguintes. “Ainda é prematuro dizer o que houve e o tipo de responsabilidade de quem. Como se trata de uma investigação criminal, dependemos de alguns passos que serão tomados ainda esta semana”, concluiu.

Também hoje cedo (28), o governador Tarso Genro (PT) disse em entrevista à rádio Gaúcha de Santa Maria que seguiria à cidade da tragédia, juntamente com o procurador-geral de Justiça do Estado, Eduardo Veiga, para acompanhar os trabalhos de investigação do Ministério Público e da Polícia Civil sobre o incêndio.

“Agora é o momento de tomarmos todas as providências para apurar responsabilidades, que têm que ser investigadas profundamente pelo MP, e, depois pelo Judiciário”, disse Genro. “Disponibilizaremos ao MP e à Polícia todas as condições necessárias para que tenham uma apuração rigorosa”, definiu o governador, que preferiu não adiantar eventuais responsabilizações. “Temos que ver se tivemos ações ou omissões que determinem isso”, resumiu.

Genro disse ainda que não descarta a criação de uma força-tarefa estadual para auxiliar o município “não só a melhorar a legislação, como também para aumentar fiscalização, se for o caso”, em casas noturnas.