Emenda propõe reunificação familiar

0
725

Grupo bipartidário apresentou no Senado uma emenda para eliminar as barreiras à reunificação familiar.

Os senadores Hillary Clinton (democrata de Nova York), Chuck Hagel (republicano de Nebraska) e Robert Menendez (democrata de Nova Jersey), anunciaram que a emenda reclassifica os cônjuges e menores de idade filhos de residentes permanentes como “parentes imediatos”, os quais ficariam isentos dos limites de vistos outorgados anualmente pelo Departamento de Estado.

“Os Estados Unidos são um país construído por imigrantes, mas nossas leis estão separando as famílias de imigrantes legais”, observou Hillary Clinton. A senadora acrescentou que a cada ano milhares de residentes somam-se à lista dos que esperam muito tempo para reunir-se com seus cônjuges ou filhos “em função dos atrasos no processamento de vistos”. E estas pessoas “são residentes que pagam impostos cumprem a lei, portanto não devem ser privados e ficar à espera de um trágico jogo de números”, comentou. “É inconcebível se verem forçados a escolher entre sua família e seu novo país adotivo”, enfatizou.

O senador Hagel assinalou que a emenda concentra-se na justiça e criticou os enormes atrasos no serviço de imigração causados pelo sistema de cotas. “As famílias de residentes permanentes não deveriam ser castigadas porque nosso sistema de imigração atual está paralisado pelos atrasos”, apontou.

Por sua vez, o senador Menéndez mencionou que as decisões tomadas pelo Senado enfrentarão “uma mudança fundamental nos valores de nosso sistema de imigração”, e que o princípio fundamental da família “seria enterrado” se o Senado não modificar o acuerdo obtido esta semana pela comissão tripartite, integrada pelos democratas, republicanos e a Casa Branca.

Atualmente os residentes permanentes esperam entre 5 e 8 anos por um visto para um cônjuge ou filho menor de idade, argumentou o grupo ao entregar a emenda. “Durante este tempo os cônjuges ou filhos não têm permissão de entrar nos Estados Unidos, sequer para visitas breves”, acrescentou.

A lei também exige que os residentes vivam permanentemente nos Estados Unidos ou estão arriscados a perder seu status de residência. Os residentes legais são os únicos imigrantes sujeitos a estes requisitos. A mesma lei indica que os cidadãos podem trazer seus cônjuges e filhos nascidos no exterior sem nenhuma espera.