Engenheiro de Boynton Beach cria equipamento que detecta Ebola em um dia

0
565

Invento de Mitchell Friedman, residente no sul da Flórida, foi enviado à Libéria, na África

DA REDAÇÃO COM SUN SENTINEL

Inventor Mitchell Friedman mostra a máquina Vertical Shaker em ação

Inventor Mitchell Friedman mostra a máquina
Vertical Shaker em ação

Um engenheiro residente em Boynton Beach criou um equipamento de laboratório que será usado na luta contra a epidemia do vírus Ebola, cujo foco principal está em nações do oeste da África. Mitchell Friedman é o inventor da máquina Vertical Shaker, um equipamento que permite apontar se um indivíduo está infectado pelo Ebola em um dia – ao contrário de outros métodos usados para o diagnóstico, que chegam a levar uma semana para dar a resposta.

O cientista, que recentemente mudou sua companhia Union Scientific do estado de Maryland para o sul da Flórida, recebeu recentemente um e-mail da divisão de doenças infecciosas do National Institutes of Health. A mensagem pedia que ele enviasse o equipamento, que custa $1.420 mil, à Libéria, um dos países mais castigados pela epidemia do vírus.

A Vertical Shaker é uma máquina que mistura fluidos e amostras de sangue a uma força 50 vezes superior à da gravidade, 60 vezes por segundo, e delas extrai DNA. O equipamento será usado por médicos na Libéria para identificar a doença em pacientes a partir de coletas de sangue.

“Quando alguém encontra um novo uso para um equipamento como esse, isso realmente me deixa feliz”, disse, ao Sun Sentinel, o engenheiro. “É uma ótima sensação a de estar fazendo algo significante para a sociedade.”

Nova sede em Boca
Friedman, de 82 anos, trabalhou para a fabricante de computadores IBM nos anos 1970, antes de fundar sua primeira empresa, a Bio/Physics Systems, comprada anos mais tarde pela Johnson & Johnson, por $8 milhões.

O engenheiro contou ao jornal Sun Sentinel que, apesar de sua esposa querer que ele se aposente, a ideia nem passa por sua cabeça. A Union Scientific terá nova sede montada em Boca Raton, para a qual Friedman procura funcionários no momento.

Não há tratamento conhecido para a febre hemorrágica causada pelo Ebola. A doença é considerada altamente virulenta, mas, na atualidade, existem vários medicamentos que estão sendo testados. A atual epidemia é a pior já registrada desde que o vírus foi descoberto, em 1976, e já deixou mais de 5 mil mortos, especialmente na Guiné, Serra Leoa e Libéria, segundo dados da Organização Mundial da Saúde.