Entrevista: Paula Lemes mostra que a beleza também pode ser encontrada na terra dos metalúrgicos

0
1033

Por Tonia Elizabeth

Quem viu essa morena bonita ajudando no Brazilian Film Festival (o festival
anual de filmes brasileiros) em Miami não sabe que se trata de uma modelo bem
requisitada. Paula Lemes possui essa simplicidade.

É segura, espontânea, iluminada e sorridente. Ela tem uma carreira brilhante
como modelo fotográfico ou “life style”, como diz chamar-se nos Estados Unidos,
posando para campanhas publicitárias e marketing impresso. Recentemente, ela foi
a “body double”, uma espécie de dublê sem riscos, da atriz Catherine Zeta-Jones,
que filma em Miami seu mais novo trabalho, a vilã de “Rock of Ages”.

“Temos as mesmas medidas. É incrível!”, diz a brasileira.

Ela conta que não é a primeira vez que faz trabalho de “body double” um
trabalho cansativo, mas interessante e acrescenta: “Todas as vezes que a
personagem da Catherine aparece de costas, não é ela, sou eu”.

Paula é paulista e cresceu na área do ABC, onde ia muito na “casa do Tio
Lula”, como chamava o ex-presidente brasileiro. Estudou Economia na Fundação
Santo André. Com a modéstia que lhe é peculiar, diz que tem um padrão de beleza
“normal”.
Quando mais jovem, usou óculos e aparelho para os dentes. Achava-se feia e
muito magra, mas não infeliz, relembra. A irmã trabalhava como modelo contra a
vontade dos pais. Paula queria ser modelo também e, determinada, começou a
desfilar para lojas de vestidos de noiva em São Paulo. Mandou fotos para
diversas editoras e começou a investir na carreira. Segundo ela, na época, não
teve muito sucesso e recebeu muitos “nãos”. Fez aula de teatro, contra a vontade
do pai, que achava aquilo um absurdo. O pai costumava dizer que “barte não traz
futuro”.
Quando decidiu morar nos Estados Unidos, a coisa mudou. Ela trabalhava em um
banco e, um dia, num parque, foi descoberta por um desses caçadores de talentos.

O agente enviou fotos dela para uma agência e, a partir daí, os convites e
trabalhos não param de chegar.

Parece que essa morena só atrai coisas boas, até contra as superstições. Um
dia, de volta ao bairro de Rudge Ramos onde cresceu, em São Bernardo do Campo,
se apaixonou por um vestido marrom. Depois de relutar, acabou comprando. Esse
vestido lhe deu um bom empurrão num processo de seleção para estrelar um
comercial. Ela descobriu mais tarde que o vestido havia encantado o diretor do
comercial. Paula faturou também um contrato como modelo de uma campanha do Fusca,
da Volkswagen.

Comerciais na televisão, revistas, catálogos, ensaios e dezenas de clientes
como KFC, Mc Donalds, Miller Lite, DHL, Progressive Car Insurance, essa garota-propaganda
não para. E pensar que, quando era criança, queria ser comerciante ou engraxate.
Aliás, segundo ela, engraxar sapato é um hobby relaxante até hoje.

Essa modelo colaborou distribuindo credenciais e brindes no festival de
cinema, mas não pôde ficar até o fim porque teve de embarcar para a Dinamarca
para fazer um trabalho.

“Acho que o cinema é uma forma de divulgação de cultura, por isso ajudo em
vários festivais como os de Miami, Los Angeles (LABRFF), além daqueles
realizados no Rio de Janeiro, em Paulínia e outros”, finalizou a morena
sorridente.


Tonia Elizabeth é jornalista e também locutora. Atuou como produtora de companhias de publicidade e canais de televisão a cabo e satélite. Foi “hostess” do programa “Entertainment Tonight” por dois anos, na versão brasileira. É também cantora de Brazilian Jazz e gravou e fez shows com artistas consagrados.