Especialistas analisam a política imigratória na Universidade de Miami

0
477

Eles acreditam que a imigração é benéfica para os Estados Unidos

A imigração beneficia os Estados Unidos porque ajuda a melhorar a economia e a reduzir o desemprego, disse nesta segunda-feira o ex-secretário do Departamento de Comércio dos EUA, Carlos Gutiérrez, durante uma conferência na Universidade de Miami (UM). “A imigração é boa para o país”, indicou Gutiérrez, que ocupou o cargo de 2005 a 2009. “Os imigrantes impulsionam a economia e os empregos”.

Gutiérrez foi um dos cinco especialistas sobre temas imigratórios que participaram da conferência “Ainda uma nação de imigrantes? A maneira como a imigração está mudando os Estados Unidos no século XXI”, organizada pela UM e pelo Centro Wilson, em Washington. Entre os convidados, estiveram Michael Chertoff, ex-secretário do Departamento de Segurança Interna (DHS); Antonia Hernández, presidente da Fundação Comunitária da Califórnia; e Thomas McLarty, ex-chefe de gabinete da administração do presidente Bill Clinton.

Gutiérrez e Chertoff encabeçaram os esforços do governo do presidente George W. Bush para que o Congresso aprovasse uma reforma que legalizaria muitos dos 10,8 milhões de indocumentados.

Durante sua palestra, Gutiérrez disse ser um mito que os imigrantes competem por empregos em prejuízo dos americanos. “Precisamos fazer crescer a economia em 3 por cento”, comentou Gutiérrez. “Infelizmente, o índice de nascimentos dos americanos não é suficiente e por isto precisamos de imigrantes”.

Chertoff disse que, graças às políticas estabelecidas por Bush e mantidas pelo presidente Barack Obama, o número de ilegais que cruza a fronteira diminuiu consideravelmente. “O fluxo ilegal decresceu desde 2007”, confirmou.

Segundo dados da Patrulha Fronteiriça emitidos em dezembro, o número de indocumentados presos ao longo da fronteira com o México no ano fiscal 2011 foi de 340,252, 53 por cento menor do que em 2008. O DHS atribui isto aos melhores controles imigratórios na zona fronteiriça.

Antonia Hernández, porém, comentou que o número de imigrantes não caiu por causa dos controles fronteiriços, mas, sim, por causa da crise econômica. “Creio que as pessoas tem sido enganadas sobre as prováveis melhoras do controle da fronteira”, afirmou. “Construiu-se um muro que não mantém ninguém fora e foi a economia o principal motivo da redução no fluxo de pessoas”.