ESPN chama Copa do Mundo e Olimpíadas no Brasil de “Jogos mortais”

0
626

Reportagem destaca que violência, como a que deixou 19 mortos em morro do Rio de Janeiro (foto), pode prejudicar competições

Se pairavam algumas dúvidas sobre a capacidade do Brasil de sediar a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, uma reportagem veiculada no site da ESPN não vai ajudar em nada a imagem do país, em especial a do Rio de Janeiro, sede das Olimpíadas. O texto fala de uma autêntica zona de guerra, onde os tiroteios são constantes e os traficantes dominam as comunidades. O título da matéria não poderia ser outro: ‘Jogos mortais’, ou ‘deadly games’ em inglês.

O jornalista Wright Tompson criticou a candidatura do Brasil para os eventos, alegando que o Rio de Janeiro, por exemplo, é dominado por organizações criminosas que comandam as regiões periféricas. Ele citou, especificamente, um caso recente no Morro dos Macacos, no bairro de Vila Isabel, que fez com que o presidente da associação dos moradores do local ficasse deitado no banheiro de sua casa, abraçado à família, enquanto ouvia gritos e tiros da invasão do morro por uma facção criminosa.

Uma cruz branca no alto do Morro dos Macacos marca o lugar onde pessoas são queimadas vivas. Um cavalo faminto, com as costelas pulando para fora, está preso perto do local com uma corda. Um campo de futebol próximo está cheio de borracha derretida. Nenhuma partida é jogada ali. A facção que comanda essa favela tem um ritual: membros colocam pneus ao redor de seus inimigos, derramam gasolina e incendeiam os pneus. Uma fumaça negra sobe em direção ao céu. Numa escola aos pés do morro, próximo ao famoso estádio onde a cerimônia de abertura das Olimpíadas de 2016 será realizada, os estudantes ouvem gritos e tapam seus ouvidos. Esse é o Rio da vida real, diz o artigo em seu parágrafo inicial.

A reação do governo do Rio de Janeiro, que também será palco da final do Mundial de 2014, foi até branda: O estado mantém todos os seus compromissos não apenas com o calendário dos jogos, mas com o cidadão. Além disso, a sociedade do nosso estado e de todo o país vem acompanhando as ações e as evoluções com transparência em várias áreas, como na Segurança, na Saúde, e em Infraestrutura, para citar algumas. Mas não há como negar que a matéria causou um mal-estar entre as autoridades brasileiras.