EUA: Protestos de 1º de maio se focam na reforma

0
457

Em Miami, manifestantes vão às representações de congressistas

EUA: Protestos de 1º de maio se focam na reforma

DA REDAÇÃO COM AP — Sindicatos e grupos de ativistas fazem protestos hoje, 1º de maio, em favor de uma reforma imigratória que se debate no Congresso.

Coalizões nacionais e grupos locais asseguram que aproveitarão a data para pedir melhoria ao plano de reforma e exigir a suspensão das deportações, além de marchar pela defesa dos direitos dos trabalhadores.

Os ativistas não esperam recordes de presença, mas esperam maior participação do que nas marchas do ano passado devido ao destaque do projeto de lei, com “milhares de pessoas” nas ruas e Los Angeles como o local onde se concentrará a multidão maior.

“A reforma imigratória não se realizará a menos que continuemos pressionando os legisladores para deixá-los saber que já está na hora de uma reforma e a maioria dos americanos apóiam a reforma imigratória”, disse Kica Matos, porta-voz da FIRM (“Fair Immigration Reform Movement”), uma das principais coalizões de grupos que organiza as marchas, além do grupo nacional Mi Familia Vota ou o sindicato SEIU.

Durante os protestos desta quarta-feira grupos e imigrantes pretendem expressar sua oposição ao reforço da segurança na fronteira, incluído no plano, e pedir uma redução dos 10 anos que demorariam os imigrantes para obter a residência permanente e os 13 para conseguir a cidadania. Também serão usadas as marchas para pedir que as famílias imigrantes não sejam separadas devido a deportações e que a reforma promova a reunificação familiar.

Haverá manifestações em várias cidades. Em Miami, uma caravana de veículos pretende viajar até as representações dos congressistas Mario Díaz-Balart – que trabalha em um plano de reforma na Câmara baixa – e Marco Rubio, um dos elaboradores do plano de reforma no Senado.

A Coalizão do Primeiro de Maio, que representa vários grupos em New York, expressou sua total rejeição ao plano de reforma imigratória, qualificando-o de injusto para os imigrantes.

“Os grupos defendendo os imigrantes não estão todos de acordo de que a reforma de Washington é boa, pelo contrário, e é importante deixar isto claro”, disse Teresa Gutiérrez, coordenadora da Coalizão. “Porém, há grupos que apóiam esta reforma e é importante estar com eles e trabalhar com eles no primeiro de maio porque é um dia de unidade”.