Felipe Massa chega a 200 GPs na Fórmula 1

0
427

Piloto brasileiro da Williams faz balanço da carreira

Felipe Massa têm 12 anos na F1DA REDAÇÃO COM REVISTA WAMUP

Felipe Massa, com apenas 33 anos, atingiu em 2014 a expressiva marca de 200 GPs na F1. Antes dele, apenas 14 pilotos na história do Mundial haviam alcançado tal feito. E foi na etapa da Inglaterra que o brasileiro celebrou “mais esse ponto” da carreira, rodeado pelos membros da Williams, pelo chefe Frank, personalidades importantes do paddock e de times rivais, ex-companheiros de equipe, como Fernando Alonso e Kimi Räikkönen, amigos e a família. Felipe tem uma trajetória rica nos 12 anos de vivência no paddock, marcada por dramas – como o acidente que quase o matou em 2009 –, por controvérsias – tipo a corrida da Alemanha de 2010 – e por uma das disputas mais eletrizantes de título que a F1 já acompanhou em 64 anos de história. 

Felipe entende que aprendeu muito e teve de crescer rápido demais, mas que sua história é “uma experiência de vida gigante, por conseguir ser um piloto de F1 por muito tempo”. 

“Eu já passei por momentos importantes e interessantes, e aprendi muito com os momentos bons e também com os ruins – até porque, principalmente, sendo brasileiro, para você ser um piloto de F1, precisa sair muito cedo de casa. Às vezes, você sai de casa e vai morar em um país em que você não sabe a língua, não conhece nada, e precisa aprender tudo do zero. É uma experiência de vida única.”

A opção por buscar o Mundial nunca é fácil, segundo Massa, e cobra um preço alto. “Se você pegar um piloto de F1 aí com 21 ou 22 anos, parece que é muito mais velho daquilo que realmente é porque teve de aprender tudo antes e muitas coisas nessa vida”, explica. 
A extrema competitividade talvez seja a maior das características da F1. Portanto, para conseguir fazer parte desse mundo também é preciso compreendê-lo e saber em quem confiar. É uma das lições mais importantes. De acordo com Felipe, esse aprendizado precoce ajuda a sobreviver e a interpretar o que se passa ao seu redor e a conhecer as pessoas. “Aqui é igual ao mundo”, resume.
 
“É claro que aqui, você, sendo um piloto, passa por momentos difíceis e de dificuldades, não só no meio de uma corrida, mas fora também. Você acaba tendo um aprendizado da vida mais cedo e das pessoas, e tem de entender como funciona esse mundo. E acaba reconhecendo quem é a pessoa para confiar. Também porque talvez você tenha confiado em uma pessoa e não deu o resultado que você esperava”, disse o piloto à publicação especializada em automobilismo.