Funcionária da Imigração é indiciada por contratar indocumentados

0
435

Faxineira brasileira trabalhava para Lorraine Henderson (na foto, ao lado do advogado), em Massachusetts

A diretora de um escritório alfandegário dos EUA foi indiciada por contratar imigrantes ilegais como empregadas domésticas em sua casa, na cidade de Salem (Massachusetts). Se for condenada, Lorraine Henderson, que já foi demitida do cargo de chefe do setor aduaneiro do aeroporto Logan, em Boston, pode pegar dez anos de prisão e ser multada em 250 mil dólares. Uma das faxineiras da casa era brasileira, que em depoimento afirmou que a patroa dava inclusive dicas sobre como escapar das autoridades de imigração.
Lorraine foi acusada pelo Departamento de Segurança Doméstica de ter empregado durante quase dois anos algumas mulheres indocumentadas e, de acordo com as investigações, continuou usando o serviço das empregadas mesmo depois de ter sido aconselhada por colegas de trabalho a não fazer isso. A brasileira, que não foi identificada, chegou a lhe pedir conselhos sobre seu status migratório. “Você precisa ter cuidado, porque vão lhe deportar e, se você sair dos EUA, nunca mais vai voltar”, teria dito Lorraine.
O procurador Michael Sullivan, de Boston, qualificou as ações da funcionária como “inescrupulosas” e chamou a atenção para o fato de que ela “comprometeu sua autoridade, violando as próprias leis de imigração que estava encarregada de fiscalizar”. O caso foi investigado por oito meses, período em que até as conversas entre Lorraine e a faxineira brasileira foram gravadas. O jornal ‘Boston Globe’ publicou reportagem afirmando que a brasileira foi contatada pelos agentes de imigração para facilitar a investigação e preparar a ‘armadilha’ para a patroa.
Em nota, a presidente do Grupo Mulher Brasileira, Heloisa Galvão, afirmou que o fato comprova que a lei de imigração neste país não funciona, pois “não protege ninguém e não lida com o verdadeiro problema”. Ela acrescentou que as autoridades do setor não levam em conta o lado humano que se esconde sob a aplicação das normas.