Homem detido no Krome tem sua deportação suspensa

0
702


Jenny Aguilar e o filho aguardam a libertação de Jesús Barrera

O Serviço de Imigração e Alfândega revogou a deportação de Jesús Barrera, agricultor mexicano de Homestead que ficou mais de uma semana em greve de fome, afirmou esta semana sua esposa, Jenny Aguilar, que no sábado se somou ao ato de protesto na via de acesso ao Centro de Detenção para Imigrantes no Krome.

“É como tenho me alimentado estes dois dias que tenho estado de greve”, disse Aguilar, afirmando que vai continuar em greve de fome até que libertem Barrera, de 43 anos e que mora nos Estados Unidos há mais de 25 anos.

“Foi um grande alívio que meu esposo vai ficar aqui. O caso foi reaberto”, afirmou a mulher de 40 anos. “Minha luta é para vê-lo livre. Sair daqui com ele, juntos”.

A ativista Nora Sándigo, diretora da Fraternidade Americana, organização de Miami dedicada à defesa dos imigrantes, acompanhou a hondurenha Aguilar enquanto ela permanecia perto do Krome.

Ela comentou que Barrera, que tem dois filhos nascidos no país, mostrou aos agentes que o detiveram em 17 de janeiro de madrugada uma moção que haviam apresentado recentemente para que seu caso fosse reaberto, mas eles não lhe deram atenção. Também disse que não lhe foi dada oportunidade para demonstrar diante de um juiz que está enraizado aqui, tem boa conduta e nunca cometeu sequer um pequeno delito.

“Barrera exemplifica a causa da maioria das pessoas que seriam objeto da reforma”, realçou Sándigo. “É uma pessoa trabalhadora, uma pessoa de bem. Seria uma pena se tivesse sido deportado.”