Imigrantes continuam morrendo na fronteira do Arizona

0
710

Forte calor na travessia tirou a vida de pelo menos 59 indocumentados em julho

Ao contrário do que se poderia esperar, os indocumentados continuam morrendo na fronteira entre os Estados Unidos e o México – e não apenas em função dos ataques dos cartéis da droga na região. No mês de julho deste ano, só o estado do Arizona contabilizou 59 vítimas fatais da travessia ilegal, a maioria delas em função do forte calor nesta época do ano. O número só não é maior do que o registrado em julho de 2005, quando houve 68 mortes em um só mês.

Nem mesmo as leis imigratórias rígidas no Arizona, o aumento da segurança na fronteira ou mesmo a crise econômica do País foram suficientes para deter os indocumentados. Muitos continuam se arriscando no deserto, sob sol forte e enfrentado temperaturas em torno de 100º F (quase 40º C), para chegar à América. No necrotério de Pima, em Tucson, os corpos dos imigrantes estão amontoados, aguardando membros da família para o reconhecimento. O mais provável é que sejam enterrados como indigentes, já que foram encontrados sem documentos ou qualquer outra identificação.

Nas primeiras três semanas de agosto foram registradas mais 18 mortes de imigrantes, elevando para 171 o número de vítimas fatais no ano. “Eles estão se arriscando demais”, confirma Sofía Gómez, integrante da Humane Borders, destacando que os indocumentados têm preferido as zonas mais remotas e menos habitadas da fronteira. O problema é que os grupos antiimigrantes costumam destruir os tonéis de água que muitas vezes servem como um oásis na travessia.

“Era de se esperar que o ambiente político no Arizona evitasse a vinda de imigrantes por estes lados, mas não é isso que está acontecendo”, afirmou Eric Peters, do necrotério de Pima. O mesmo reparou Kevin Riley, voluntário do grupo humanitario No More Deaths, que percorre 12 milhas todos os dias para encher os tonéis de água no deserto. “Eles continuam vindo, mas muitos morrem em áreas nas quais não podemos chegar”, lamentou.