Indocumentados se faziam passar por agentes do ICE

0
674

Extorquiam outros documentados fazendo com que eles pensassem que seriam deportados dos Estados Unidos se não pagassem milhares de dólares

Uma família de imigrantes indocumentados de Los Angeles, Califórnia, foi surpreendida por uma visita a domicílio de dois sujeitos vestidos de agentes do ICE, a divisão policial do Departamento de Imigração dos EUA.

Os “agentes” informaram as vítimas que, se lhes dessem dinheiro, não seriam deportados.

Eles chegaram de noite e eram dois homens armados. Bateram na porta e se identificaram. Sabiam que a família García era indocumentada. “Quando falou com meu pai lhe disseram que queriam $25 mil, e meu pai lhes disse que não tínhamos este dinheiro”, contou Marisol, a filha dos Garcías.

O que fazer em um caso assim? Após a visita daquela noite, começaram as ligações telefônicas. A família primeiro decidiu reunir o dinheiro e pagar. Mas era uma quantia muito alta e não conseguiram juntá-la, por isto começaram a negociar com os supostos agentes.

“Eles ligavam o tempo todo. O telefone tocava e nós estávamos nervosos”, continuou Marisol.

Até que alguém da família decidiu denunciar o fato à polícia.

Em coordenação com a polícia, conseguiram colocar atrás das grades cinco indocumentados que faziam parte de uma organização criminosa dedicada a lucrar com o medo de outros indocumentados.

Graças à sua colaboração com a polícia na prisão e condenação dos criminosos, os indocumentados que eram extorquidos ganharam o direito a solicitar um visto U, que lhes permite viver e trabalhar nos Estados Unidos, e até receber uma residência legal e depois a cidadania.

“Fomos chamados para identificar os criminosos, e isto foi tudo. Nunca nos perguntaram por nosso status imigratório”, afirmou Cristian García, outro membro da família ameaçada.

O advogado Vital del Carpio sabe que é muito comum a ocorrência deste tipo de golpe dentro da comunidade indocumentada nos Estados Unidos.

“As pessoas obviamente têm medo de denunciar casos como estes. Mas esta família fez o correto, era óbvio que se tratava de um golpe”, disse.

Del Carpio acrescentou que “as pessoas precisam informar-se. O visto U foi criado precisamente para proteger estas vítimas que se convertem em testemunhas de um crime”.