Marta quer que empresas aéreas dos EUA ampliem vôos para o Brasil

0
749

A ministra do Turismo, Marta Suplicy, defendeu, nesta segunda-feira, a ampliação de vôos dos Estados Unidos para o Brasil. Entre os turistas que o Brasil recebe, os americanos ocupam o segundo lugar em número de visitantes –em primeiro estão os argentinos e, em terceiro, os portugueses.

“Vou ter uma reunião com quatro empresas aéreas americanas para discutir mais vôos para o Brasil, como Belém e Salvador, talvez Manaus”, afirmou a ministra. O encontro está marcado para o próximo dia 27.

A ministra participou nesta segunda do lançamento do prêmio Top de Turismo, da ADVB (Associação dos Dirigentes de vendas e Marketing do Brasil). O setor movimenta US$ 100 bilhões por ano.

Segundo Marta, dos americanos que viajam, 1,6% tem o Brasil como destino e, para ela, a maioria vem para São Paulo a negócios e não há famílias viajando pelo Brasil.

A ministra defendeu que o turismo é uma atividade importante para o Brasil, sendo a quinta entrada de divisas no país, “quase passando a indústria automotiva”.

Por isso, Marta disse que pleitear um aumento no orçamento da pasta, que neste ano tem R$ 380 milhões.

Crise

A crise nos aeroportos, segundo Marta Suplicy, foi decorrência, além da crise da Varig, de um aumento de passageiros que sobrecarregaram os principais aeroportos. A ministra chamou de “desastrosa” a situação.

Além de investimentos em infra-estrutura, Marta defendeu o incentivo, inclusive por meio de financiamentos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), para empresas aéreas regionais.

De acordo com Marta, 40% dos passageiros que desembarcam em São Paulo não permanecem na cidade, o que indica a necessidade de incentivar as empresas com linhas regionais.

Marta afirmou que a Fundação Getúlio Vargas prepara um estudo sobre as linhas regionais que devem ser incentivadas. Segundo a ministra, alguns trechos não existem no país e obrigam o passageiro a seguir para outro Estado para seguir para o seu destino. “Estamos cercados por falta de comunicação aérea”.

Câmbio

A ministra Marta Suplicy informou nesta segunda-feira que o Ministério da Fazenda estuda formas de compensar a pressão do câmbio sobre as empresas ligadas ao turismo, com a apreciação do real diante do dólar.

Uma das medidas, segundo Marta, é a depreciação de imóveis, como resorts e hotéis, que permitiria a a redução de impostos. A ministra não detalhou a proposta, disse apenas que a idéia de desonerar IPI (Imposto sobre Produto Industrializado) de bens de consumo utilizados pelo setor foi descartada devido à dificuldade de controle.

Consignado

Marta Suplicy disse que, depois de incentivar o turismo entre os idosos, o ministério vai criar medidas para ampliar as viagens entre os estudantes e, depois, entre os trabalhadores na ativa, com crédito do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador).