Mesmo abalada pela morte de filho, brasileira faz alerta à comunidade

0
772

Waleston Santos morreu devido à ingestão de muitas suplementos com anabolizantes

A dor pela perda de um filho é grande, mas a mineira Dalva Silva, de Pompano Beach, quer aproveitar a morte prematura de seu primogênito, Waleston Santos, para chamar a atenção da comunidade para o uso abusivo de anabolizantes. Natural de Governador Valadares, Waleston, de 37 anos, teve um ataque cardíaco fulminante num quarto de hotel em Newark (New Jersey) e a autópsia mostrou que ele tinha no organismo mais de oito substâncias diferentes – entre eles suplementos nutricionais, remédios para emagrecimento, vitaminas dietéticas e remédios para fortalecimento dos músculos.

“Eu sabia que a vaidade um dia ia levar o meu filho embora. Os jovens precisam tomar cuidado com estes produtos, que muitos vendem como naturais, mas são um veneno”, desabafou Dalva, que tem ainda duas filhas e veio com a família para os Estados Unidos há mais de 20 anos. Ela contou que, no passado, Weleston chegou a aplicar esteróides usados por cavalos de corrida para tonificar o corpo e havia sido alertado pelos médicos de que a lesão no coração era grande. No entanto, como trabalhava em uma boate, a boa forma era quase uma obsessão.

Por conta da saúde, o brasileiro – conhecido como ‘Neném’ – decidiu voltar a morar na Flórida, com a mãe, depois de uma temporada em Newark. No final de abril, porém, ele voltou a New Jersey para rever alguns amigos e acabou morrendo sozinho no quarto 438 do Ramada Inn, próximo ao aeroporto. Ele era divorciado e deixou uma filha, Juliana, de apenas 13 anos, que mora com a mãe na Carolina do Norte.

Waleston foi cremado e a urna chegará à Flórida nos próximos dias. “Ele amava a liberdade e praias, por isso acho que vou jogas as cinzas no mar”, contou Dalva, que é Católica e planeja também uma missa em homenagem ao filho na Igreja de Margate. Mas o fundamental para a brasileira é transformar o próprio sofrimento em alerta para outras famílias: “Nada vai trazer meu filho de volta. Por isso gostaria de evitar que outras mães passassem pelo que estou vivendo agora. Prestem atenção nestas vitaminas, pois não fazem bem à saúde”, disse Dalva

Vaidade que mata

Infelizmente, Waleston não foi a primeira nem será a última vítima fatal do uso indiscriminado de anabolizantes. Muitos jovens, principalmente, utilizam medicações ditas naturais que na verdade são tóxicas. Alguns, como no caso do valadarense, lançam mão até de hormônios veterinários. “Esses produtos realmente fazem com que a pessoa ganhe massa muscular de forma muito rápida, mas sem que haja uma compensação dos órgãos que compõem o organismo. O sistema cardiovascular, por exemplo, irá sofrer para suprir a demanda de irrigação sanguínea desse novo corpo. Corre-se ainda o risco do aparecimento de estrias na pele provocadas pelo crescimento desproporcional”, avisa o especialista Marcelo Krause.

Ele acrescenta que o organismo pode manifestar outros reflexos do uso de anabolizantes, como o surgimento de casos severos de acnes, disfunções no fígado, problemas de colesterol, depressão, exacerbação da agressividade e tumores. “Homens podem desenvolver seios, ter calvície e infertilidade. As mulheres podem apresentar mudanças na voz e aumento na quantidade de pelos no corpo”, ressalta o médico.

Como a aplicação das substâncias é realizada pelos próprios usuários, tem-se ainda o risco de necroses musculares que podem evoluir para infecções – que podem levar a uma septicemia e gerar complicações no coração, fígado e rins, provocando a morte. Por tudo isso, Krause destaca que um corpo musculoso não é, necessariamente, sinônimo de um corpo saudável. Para quem manter a boa forma, ele sugere atividades simples como exercícios regulares, alimentação equilibrada e persistência.