Miami recebe encontro de empresários brasileiros

0
691

Miami vai receber o 18º Meeting International promovido pela LIDE – Grupo de Líderes Empresariais. O encontro acontecerá de 26 a 29 de setembro, e trará para a Flórida 120 de alguns dos maiores CEOs brasileiros para debater questões de comércio exterior entre os dois países. O seminário econômico, que acontecerá em 27 de setembro, reunirá 250 empresários brasileiros e norte-americanos, além de autoridades dos dois governos, para debater uma pauta econômica, diplomática e política, para contribuir nas relações entre Brasil e Estados Unidos.

Entre as exposições do Seminário, Roberto Rodrigues, ex-ministro da Agricultura e presidente do LIDE Agronegócios, falará sobre “A força do etanol e da laranja na exportação do Brasil para os EUA”. Entre as autoridades confirmadas para o evento estão Marconi Perillo, governador de Goiás; Rick Scott, governador da Flórida; Mauro Vieira, embaixador do Brasil nos EUA; Tomás Regalado, prefeito de Miami; e Andrés Pastrana, ex-presidente da Colômbia. Também estarão presentes Cássio Cunha Lima, senador (PSDB/PA); Eduardo Braga, líder do governo no Senado (PMDB/AM); José Agripino Maia, senador (DEM/RN); Luiz Henrique da Silveira, senador (PMDB/SC); Ricardo Ferraço, senador (PMDB/ES); Romero Jucá Filho, senador (PMDB/RR); Arnaldo Jardim, deputado federal (PPS/SP); Nelson Pellegrino, deputado federal (PT/BA) e Walter Feldman, deputado federal (PSDB/SP).

Os encontros anuais dos empresários têm como objetivo fortalecer as relações entre corporações e governos de diferentes nações. Na Flórida, o evento terá como tema central “Relações econômicas, institucionais e de turismo entre Brasil – Estados Unidos”.

Miami foi escolhida para sediar o evento devido à força econômica do Estado da Flórida e à importância do Brasil no cotexto turístico e econômico para esta região. A Flórida funciona como plataforma de negócios mundiais, ao transporte nacional e internacional. Possui uma combinação única de localização estratégica, infraestrutura e mão-de-obra, bem como uma forte concentração de recursos financeiros. Além disso, Miami é o segundo maior centro financeiro-bancário dos EUA, atrás apenas de Nova York.