Moda: quando o hobby vira negócio lucrativo

0
691

A carioca Daniela Martins investiu no seu próprio bom gosto para criar sua primeira empresa no ramo de moda

Daniela MartinsJoselina Reis

A maioria das mulheres acha que entende de moda. Isto, no entanto, nem sempre é verdade. Algumas desenvolvem um olhar clínico para detectar o que deve ou não deve ser usado para deixar uma mulher bem bonita. A carioca Daniella Martins, de 33 anos, sempre gostou de moda, mas o que era um hobby se transformou em sua primeira empresa nos Estados Unidos – a Dress Up Couture.

Advogada de profissão e consultora de imagem por opção, Daniela usou seu conhecimento sobre moda aliado ao fato de que mora em Miami para abrir sua empresa de consultoria de imagem. “Morando em Miami e ligada no mercado da moda, sei exatamente quais lojas se adequam ao estilo de cada pessoa. Por mais que vários amigos tenham vindo e dado dicas de locais para compras nunca é igual a uma profissional acompanhando a cliente em lojas especializadas para encontrar o que a pessoa está procurando”, lembra que analisa até a persondalidade do cliente para direcionar as compras.

Miami é considerada a capital mundial das compras para os brasileiros. Segundo dados divulgados pelo órgão oficial de turismo da cidade, o Greater Miami Convention & Visitors Bureau’s, 755,5 mil turistas brasileiros visitaram o destino no ano passado. Um aumento de 9,5% em relação ao ano anterior, quando 690 mil brasileiros desembarcaram na cidade.

O gasto dos brasileiros em Miami no ano passado superou os $1,68 bilhões (cerca de R$ 3,7 bilhões), 12,6% a mais do que em 2012. Os números mostram que o Brasil é o primeiro mercado emissor de turistas para Miami desde 2011, quando superou o Canadá.

Pensando nisso, Daniela viu no mercado de compras a sua chance de virar empresária de moda. Sabendo da necessidade do turista buscar o melhor preço evitando as compras inadequadas em pouco tempo de viagem, a brasileira apostou na consultoria. “Os brasileiros ficam loucos com os preços baixos das roupas aqui nos EUA e, assim, acabam fazendo compras por impulso. No entanto, isto não vale a pena. É comum as pessoas comprarem peças que não fazem muito seu estilo, levar presentes para pessoas somente porque viajou para o exterior e arrematar peças que não servem, apenas para não perder a oportunidade. Isto é frustrante e não sai tão barato, no final das contas”, revela a consultora.

A expertise de Daniella Martins como personal stylist ou consultora de imagem é para eventos especiais. “Durante minha consultoria, oriento a cliente a comprar artigos de qualidade, de acordo com seu orçamento e estilo, para ter certeza de que a compra será adequada e não apenas uma oportunidade de momento”, destaca a carioca que que começa seu trabalho de pesquisa mesmo antes do cliente embarcar para Miami.

Técnica
A diferença da consultoria de moda, explica Daniella, é que uma assessoria efetiva inclui conhecimento sobre o cliente. “Procuro identificar os pontos que devem ser destacados em seu corpo a fim de orientá-la sobre modelo, cor, tecido e tudo mais que se encaixa bem com o tipo de corpo que ela tem e com o evento do qual participará, seja casamento, formatura, aniversário, batizado, etc. E ainda dou orientações na compra de acessórios (bolsas, sapatos, etc.), bem como penteados e maquiagem”, explica.

A empresa já está no ramo há somente um ano e agora Daniella e o marido, Bruno, se preparam para a expansão dos negócios. A Dress Up Couture vai abrir uma loja em Fortaleza (CE). “A consultoria será feita online `pelo website www.dressupcouture.com.br` e através da parceria com minha sócia em Fortaleza”, explica ela, lembrando que aposta na representação de marcas internacionais ainda não comercializadas no Brasil para ser o diferencial da empresa.

“Tem sido um trabalho muito intenso em procurar as marcas mais adquadas, mas muito gratificante”, conta a empreendedora que no Brasil vivia dentro de escritórios e agora visita lojas e fábricas.