Número de mortos nas estradas federais durante o carnaval é o menor em oito anos

0
436

Também houve queda no número de acidentes e vítimas. Mais de 2 mil condutores foram multados e outros 372 presos

Número de mortos nas estradas federais durante o carnaval é o menor em oito anos

DA REDAÇÃO (com G1) – A Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgou na quinta-feira (19) o balanço da Operação Carnaval 2015. O balanço destaca houve queda no número de acidentes e também das vítimas. O número de mortes foi o menor em oito anos, segundo a PRF. A Operação foi realizada de 13 a 18 de fevereiro.

De acordo com os dados, foram registrados 2.785 acidentes no período, deixando 1.786 pessoas feridas e 120 mortos. A redução foi de 22% no número de acidentes, 28% na taxa de mortos e 18% da taxa de feridos. Para este cálculo, a PRF leva em conta o número de acidentes para cada milhão de veículos em circulação. O objetivo é evitar que o balanço seja influenciado pelo aumento da frota, que é estimado em mais de 8% em relação ao ano passado. Em números absolutos também houve queda. Em 2014 foram registrados 3.357 acidentes com 2.023 feridos e 159 mortos.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, atribuiu a redução do número de acidentes à mudança na forma como a PRF tem feito a fiscalização das estradas. O órgão tem procurado intensificar a fiscalização e atuar mais fortemente nos locais em que mais acidentes ocorrem. O ministro disse que as mudanças na legislação sobre alcoolemia e o aumento do valor das multas para ultrapassagens perigosas e alta velocidade também podem ter contribuído.

“Tivemos o Carnaval menos letal dos últimos oito anos. Atribuímos isso à mudança de fiscalização PRF e a outras situações devidas, como o aperfeiçoamento da lei sobre alcoolismo ao volante”, disse o ministro.

Segundo o balanço, 45% das mortes ocorreram em colisões frontais. Mesmo assim, houve uma redução de 68% do número de pessoas que morreram neste tipo de acidentes. A maior causa de acidentes foi o excesso de velocidade, apontado em 26% dos casos.

Minas Gerais, estado que possui a maior malha federal, manteve a liderança no número de vítimas fatais, com 14 mortes. Na sequência apareceram o Distrito Federal e Maranhão, com 10 mortes, e Rio de Janeiro, Paraná e Bahia, com 9 vítimas fatais.

Foram realizados 85,6 mil testes de alcoolemia, conhecido como “bafômetro”. Foram feitas 2.006 autuações e 372 prisões de pessoas que dirigiam embriagados. Foram fiscalizados 234 mil veículos e recolhidas 2.901 carteiras de habilitação.