Obama e McCain viram personagens de quadrinhos

0
702

Revistas com candidatos à presidência chegarão às lojas antes das eleições

Os candidatos democrata e republicano à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama e John McCain, respectivamente, podem ser considerados super-heróis, se levarmos em conta as dificuldades que ambos enfrentaram para alcançar a indicação por seus partidos. E agora eles serão retrados em histórias em quadrinhos, espaço comumente usado para a publicação de aventuras de personagens com poderes sobre-humanos. A iniciativa é da IDW, editora que já publica revistas com os Transformers e Jornada nas Estrelas, e estará disponível para os americanos em outubro, ou seja, antes das eleições presidenciais.
“Já houve revistas em quadrinhos biográficas antes, isso não é novo. Mas nós estamos falando de uma história que não está terminada: duas visões dos candidatos, dois homens que estão competindo pelo trabalho mais importante do mundo”, anima-se Scott Dunbier, editor de projetos especiais da IDW. O material sobre Obama será escrito por Jeff Mariotte, romancista de suspense sobrenatural e autor de outras histórias em quadrinhos e episódios para a televisão, enquanto que a revista de McCain ficará a cargo de Helfer, escritor veterano e editor da indústria dos quadrinhos.
A maior dificuldade de Mariotte foi buscar informações sobre o senador Obama. “Pesquisei dados nos jornais, no site da campanha e na Internet, enfim, tudo o que parecia autêntico. Mas procurei me manter longe de sites malucos”, explicou. Já Helfer penou para resumir a carreira do senador McCain em apenas 28 páginas. As capas das revistas foram desenhadas em aproximadamente dois dias por J. Scott Campbell e mostram os candidatos olhando para o céu.
A idéia agradou ao público, tanto que o site www.presidencialcomics.com tem recebido centenas de acessos de curiosos em busca de mais detalhes sobre os quadrinhos. “Existiria formato melhor para narrar as histórias dos senadores John McCain e Barack Obama e suas tentativas à Casa Branca?”, indaga o jornal New York Times, em uma reportagem sobre o assunto.