País gasta mais com controle imigratório do que na repressão ao tráfico de drogas

0
354

Gastos com repressão à imigração superam os de todas as outras agências federais de combate ao crime combinadas

O governo Obama gastou quase $18 bilhões no combate à imigração ilegal em 2012, muito mais do que foi gasto com todas as outras agências federais de repressão ao crime combinadas, de acordo com um relatório publicado na segunda-feira (7) pelo Migration Policy Institute, um instituto apartidário de pesquisas em Washington.

Com os enormes recursos usados para monitorar e vigiar os estrangeiros que vêm ao país e ainda deter e deportar imigrantes ilegais, o controle imigratório tornou-se “a agência prioritária de combate ao crime no âmbito federa” concluiu o estudo.

Nos últimos anos, ainda segundo o relatório, as duas maiores agências de controle de imigração sob o comando do departamento do Homeland Security enviaram mais casos para os tribunais e cortes que todas as outras agências do departamento de Justiça combinadas, incluido o FBI, o Drug Enforcement Administration e o Bureau of Alcohol, Tobacco, Firearms e Explosives. O total de despesas dessas agências foi de $14 bilhões, segundo os números oficiais.

O estudo, com 182 páginas, deu a partida este ano no debate imigratório, tema que o presidente Obama prometeu priorizar em 2013. Seu o objetivo é revelar ao público números reveladores do fato de que o país construiu uma “máquina formidável de repressão”desde 1986, ano em que o Congresso aprovou a última mudança nas leis imigratórias, que na época garantiu a legalidade para um grande número de imigrantes. Os gastos federais com imigração hoje são 15 vezes maiores que em 1986, revela o estudo.

O relatório é uma resposta a muitos parlamentares, sobretudo republicanos, que exigem que o governo aja com mais rigor no controle imigratório antes do Congresso iniciar um debate que leve à legalização dos cerca de 11 milhões de indocumentados que vivem no país.
“A política da ‘repressão em primeiro lugar’ que tem sido advogada por muitos no Congresso e parte da opinião pública como uma pre-condição para uma reforma imigratória tornou-se, na verdade, a própria e singular política imigratória da nação”, conclui o relatório.

O estudo revelou que para financiar pessoal e desenvolver tecnologias as despesas do Border Patrol (Patrulha Fronteiriça) alcançaram “altas históricas”, enquanto que as detenções de atravessadores ilegais nas fronteiras caíram 53% desde 2008. Como resultado do significativo aumento nas despesas, os casos de deportações “aumentaram dramaticamente”, como muito mais imigrantes removidos sumariamente, em processos que não envolveram nenhum procedimento formal diante de um juiz de imigração.

O orçamento do Immigration and Customs Enforcement (ICE), a agência encarregada da busca e detenção de imigrantes ilegais, cresceu 87% desde 2005, alcançando quase $6 bilhões, segundo o relatório. O número de estrangeiros detidos pela agência chegou a 429.247 em 2011, que somados aos 410.000 deportados em 2012 fazem do governo de Obama o recordista em número de deportações em um único mandato.

Desde os ataques terroristas do Onze de Setembro que as agências federais de combate ao crime vêm ampliando e coordenando seus bancos de dados no sentido de monitorar o movimento de estrangeiros dentro do país. O banco de dados criado como resultado desse esforço tornou-se o “maior sistema eletrônico de verificação e controle do mundo”, disse Donald Kerwin, um dos autores do relatório.