Pesquisa quer identificar hábitos de brasileiros nos Estados Unidos

0
528

Objetivo do estudo é facilitar o acesso a serviços de saúde para membros da comunidade brasileira no território americano

Como está a saúde do brasileiro que vive nos Estados Unidos? Ele passou a beber e fumar mais por estar morando longe de seu país? De que maneira eles podem achar tratamento no caso de estarem com problemas?

Para responder a estas perguntas, duas pesquisadoras brasileiras da Universidade de Washington, localizada na cidade de Seattle (noroeste dos EUA), estão conduzindo um estudo online para melhor conhecer a realidade da comunidade brasileira que reside nos Estados Unidos.

A fim de alcançar os membros da comunidade, estão sendo utilizados vários recursos, como, por exemplo, um questionário colocado na versão online do AcheiUSA, um dos veículos usados na disseminação deste estudo. A publicidade sobre a pesquisa fica na página principal e sugerimos que as pessoas participem, uma vez que o resultado deste estudo pode ser benéfico para todos.

Segundo a Dra. Luciana Safioti, coordenadora do projeto do Alcohol and Drug Abuse Institute (ADAI) da Universidade de Washington, em Seattle, “o objetivo dessa pesquisa, financiada pelo programa do ADAI, é ouvir a voz do imigrante brasileiro, principalmente no que diz respeito à necessidade de serviços para aqueles que querem parar de fumar e beber (ou beber de forma mais controlada)”.

A pesquisa ainda está sendo realizada e os resultados desse estudo servirão para documentar a presença e a necessidade de serviços para os brasileiros nos departamentos de saúde dos estados onde brasileiros estão concentrados, como é o caso da Flórida. “Atualmente os fumantes que falam espanhol têm serviços gratuitos nos departamentos de saúde para parar de fumar, em sua língua nativa. Nós temos que ter visibilidade suficiente para chegarmos a esse ponto”, diz a Dra. Beatriz Carlini, cientista pesquisadora da Universidade de Washington e responsável pelo projeto.

Stress causado pela imigração

No geral, a saúde dos brasileiros que vivem aqui nos EUA, longe de seus familiares, sofre com o stress associado à imigração, à sensação de isolamento, e o trabalho pesado faz com que a saúde dos imigrantes piore. ” Outro fator para essa piora no estado de saúde é que o brasileiro imigrante pode não se sentir à vontade em visitar um médico que não fala sua língua, não confiar na maneira como a medicina é exercida por aqui e ter dificuldades de atendimento por não possuir seguro saúde. Isso só agrava ainda mais a situação”, constata Luciana.
Elas admitem que o índice de brasileiros que consomem bebidas alcoólicas e são fumantes não é conhecido, mas quando o estudo for concluído, no fim desse ano, será divulgada a primeira estimativa. “Muitos brasileiros que fumavam no Brasil resolvem parar quando imigram para os EUA, devido ao alto preço dos cigarros e às leis que regulam os locais onde se pode fumar. No entanto, a opção de serviços de apoio é praticamente inexistente. Parar de fumar é difícil para a grande maioria das pessoas. Quando o fumante tem acesso a um programa de apoio e tratamento, e tem oportunidade de desenvolver um plano de ação, com a ajuda de conselheiros de saúde, suas chances de sucesso dobram. Em relação ao álcool, muitos brasileiros podem passar a beber mais por causa do stress e do isolamento. Não sabemos se isto é mesmo verdadeiro, mas nossa pesquisa vai ajudar a descobrir”, acredita Beatriz.

Com os resultados obtidos com essa pesquisa, elas farão a documentação de serviços de saúde onde vale a pena investir na saúde do brasileiro. “Nós pretendemos começar a trabalhar com recursos online e de apoio telefônico para brasileiros que moram nos EUA e que desejam parar de fumar no ano de 2013. Demora, mas vai valer a pena”, vibram as pesquisadoras.