Piloto de avião que caiu na França tratou “tendências suicidas visiveis”

0
991

Investigações apontam que Andreas Lubitz provocou conscientemente acidente que matou 150 pessoas a bordo

DIVULGAÇÃO
Andreas Lubitz provocou conscientemente acidente

Andreas Lubitz provocou conscientemente acidente

DA REDAÇÃO (com G1) – A promotoria de Düsseldorf, na Alemanha, informou na segunda-feira (30) que o copiloto do avião da Germanwings que caiu nos Alpes franceses na semana passada passou por tratamento para tentar conter tendências suicidas no passado. “Muitos anos atrás, antes de obter sua licença de piloto, o copiloto passou por um longo período de tratamento psicoterápico, com tendências suicidas visiveis”, disse o escritório da promotoria.

Segundo a promotoria, até agora não há sinais de que ele tinha tendências suicidas atualmente, segundo suas recentes idas ao médico.
A promotoria encontrou documentos médicos “que apontam uma doença e o tratamento médico correspondente” na casa de Lubitz, em Düsseldorf, e na de seus pais, na cidade alemã de Montabaur.

A promotoria também afirmou que não vai entrar no mérito das especulações sobre os motivos do copiloto Andreas Lubitz, que segundo as autoridades teria derrubado deliberadamente o avião da companhia alemão. Segundo o órgão, não há pistas sobre o que teria motivado a ação do copiloto.

O voo da Germanwings caiu na terça-feira (24), matando as 150 pessoas a bordo. O voo partiu de Barcelona (Espanha) e ia para Düsseldorf (Alemanha).

Problemas de saúde
Relatos da imprensa mundial apontam problemas enfrentados pelo copiloto que podem ter sido um fator na queda do avião.
Segundo o jornal francês “Le Parisien”, Andreas Lubitz, de 27 anos, sofria de transtorno de ansiedade generalizada (TAG).

Os médicos que o atenderam em 2010 aplicaram injeções de olanzapina, que tem efeito antipsicótico, e recomendaram que Lubitz praticasse esportes para recuperar a autoconfiança.

Lubitz também aparentava ter problemas com o sono, para o qual foi recomendado a usar o antidepressivo agomelatina.
O site do jornal alemão “Die Welt” informou na semana passada que agentes da polícia acharam vários remédios para tratar um grave “transtorno psicossomático” no apartamento em Düsseldorf.

Segundo o jornal americano “The New York Times”, Lubitz também tinha problemas de visão que poderiam ter colocado em risco seu trabalho.