Policial de Boynton Beach teria fugido para o Brasil

0
849

Promotores públicos federais disseram que David Britto embarcou para o Brasil para evitar ser julgado por porte de drogas

David Britto, o policial de Boynton Beach e fugitivo federal, pegou um voo para o Brasil no mesmo dia em que cortou seu dispositivo eletrônico de monitoramento, de acordo com um recurso interposto na corte federal nesta quarta-feira, dia 7 de setembro.

Britto, o Policial do Ano de 2010 do Departamento de Polícia de Boynton Beach, evadiu-se em 24 de agosto e tem sido procurado pelas autoridades federais desde aquele dia. Ele está enfrentando acusações federais de porte e tráfico de drogas.

Depois da chamada convocada para esta quarta-feira, que foi realizada às 3 horas da tarde em Miami, o gabinete do secretário de Justiça dos Estados Unidos entrou com uma moção exigindo que Britto esteja presente durante uma conferência em 14 de setembro.

A moção explica que, apesar de ter assinado a “papelada exigida pela fiança ” — que estabeleceu a condição dele ter de usar um dispositivo eletrônico de monitoramento —o oficial de justiça de Britto recebeu um “alerta” emitido pelo dispositivo.

Agentes da lei descobriram mais tarde que Britto embarcou num voo de Miami para Brasília, naquele mesmo dia. O rapaz de 28 anos nasceu em Vila Velha, no Espírito Santo. Ele teve de entregar todos os passaportes como condição para cumprir a detenção domiciliar, mas parece ter conseguido um passaporte brasileiro alternativo.

O advogado de Britto, Michael Salnick, não se opôs à moção. Na semana passada, Salnick disse ter ficado surpreso ao ouvir que Britto havia removido sua tornozeleira de monitoramento, especialmente porque Britto estava bastante envolvido com a defesa.

Enquanto isto, Britto permanece em licença administrativa do Departamento de Polícia de Boynton Beach desde sua prisão em 1º de julho por ter sido acusado de possuir 500 gramas ou mais de metamfetamina com a intenção de distribuir.

Ele declarou-se inocente das acusações em 18 de julho, e o julgamento de seu caso estava marcado para 12 de setembro.