“Quase fomos presos em Miami”, brinca diretora de “S.O.S. Mulheres ao Mar 2”

0
934

Cineasta Cris D’Amato falou ao AcheiUSA sobre experiência de filmar na cidade; “Quero voltar em férias”, disse

Por Caio Campos

A cineasta Cris D’Amato e a atriz Thalita Carauta
A cineasta Cris D’Amato e a atriz Thalita Carauta

Diretora do filme “SOS Mulheres ao Mar”, um dos maiores sucessos recentes do cinema brasileiro, a cineasta Cris D’Amato não poupa elogios ao definir a experiência de filmar a sequência do longa em Miami. “Foi ótimo. Tivemos acesso a uma estrutura única em meio a uma cidade muito hospitaleira. Pude contar com batedores de trânsito, figurantes… E tudo, ao contrário de como é no Brasil, de graça, providenciado pela cidade”, diz. “No Brasil, paga-se por tudo ao filmar fora, em locação. Aí foi diferente.”

Cris se lembra até mesmo de episódios engraçados durante a filmagem da produção, que conta, entre outros, com atores como Reynaldo Gianecchini e Giovana Antonelli no elenco. “Teve um momento em que achei que seríamos presos”, diverte-se. “Estávamos filmando na Collins Avenue, em Miami Beach, com um carro em que o cinegrafista manejava a câmera viajando no porta-malas. Em dado momento, a Thalita Carauta, que vive a personagem Dialinda, corria pela rua e acabou sendo parada por policiais de bicicleta, que não sabiam que interrompiam uma filmagem”, lembra. “O policial pediu para que parássemos o carro e tomou um baita susto quando o cinegrafista saiu do porta-malas. Com isso, caímos na gargalhada e quase acabamos presos por desacato, já que o guarda ficou bravo com nossa reação”, conta a cineasta. “De toda forma, só tivemos boas experiências. A cidade é linda.”

A cineasta explica que a ideia que filmar partes do longa em Miami (a produção também rodou por Orlando, cidades do Texas e do México, como Cancún) já existia há tempos. “Quando tive um break do primeiro SOS Mulheres ao Mar li um livro sobre roteiros. Lembro de estar lendo na praia do Leblon quando pensei que se fizéssemos uma sequência, que ainda não estava nos planos, ela tinah de ser rodada em Miami”, conta. “O sonho da Dialinda era viver nos Estados Unidos, então nada mais natural que o filme tivesse cenas rodadas aí.”

Para Cris, além das facilidades oferecidas pela cidade para que a equipe filmasse, a atmosfera despretensiosa de Miami também a cativou. “Quero voltar em férias. Achei a cidade uma mistura interessante. Ouvia mais português e espanhol do que inglês. Além disso, as pessoas me pareceram mais relaxadas, mais descontraídas, do que em outras partes dos EUA. É tudo mais natural.”

Caso uma terceira parte da trama venha a acontecer, Cris já sabe para onde quer levar a equipe: a Àsia. “Ainda não sei qual seria o país, mas tenho vontade de filmar lá, Porém, ainda é tudo meio incerto… Vamos ver se vai ter mais um filme. E também tem quem queria que filmemos na Noruega”, diz.

Chaves da cidade
“SOS Mulheres ao Mar 2” dá sequência às aventuras da personagem Adriana, escritora interpretada por Giovana Antonelli, par romântico de André, vivido por Reynaldo Gianechinni (que também está no elenco da segunda parte). No novo filme, Adriana se vê às voltas com uma top model cobiçando André, tudo ocorrendo, é claro, dentro um navio que singra as águas do sul da Flórida e de Cancún. 

A primeira parte da série foi um grande sucesso no Brasil, onde foi vista por mais de dois milhões de pessoas, e também repercutiu bem no exterior: no 18º Brazilian Film Festival, em 2014, o filme levou a Lente de Cristal, prêmio máximo, na categoria Melhor Filme.

Na primeira semana de abril, o elenco da produção foi presenteado com as chaves de Miami pelo prefeito da cidade, Tomás Regalado. Receberam as chaves, além de Cris, o produtor Julio Uchoa e as atrizes Giovana Antonelli, Fabiula Nascimento e Thalita Carauta.