Referendos em Estados americanos podem atrair eleitor às urnas

0
599

A votação sobre questões que tratam de assuntos polêmicos como o casamento entre homossexuais e as pesquisas com células-tronco pode decidir a corrida pelo controle do Congresso dos EUA se, na terça-feira, conseguir atrair eleitores às urnas.

Várias das disputas mais acirradas por vagas no Senado e na Câmara dos Deputados são travadas em Estados onde referendos sobre questões polêmicas podem levar às urnas eleitores que normalmente ficariam em casa no dia do pleito.

“Apelo aos cristãos para que façam ouvir sua voz”, afirmou Jerry Falwell, um conservador cristão, em uma recente mensagem enviada por e-mail. Falwell pediu a seus simpatizantes que compareçam às urnas principalmente em Estados onde há projetos de lei para proibir o casamento entre homossexuais.

“Vamos sair de casa e votar”, disse o conservador.

Oito Estados devem decidir sobre medidas do tipo na terça-feira.

Também há, em vários Estados, referendos sobre impostos sobre o cigarro, aborto, direitos de propriedade e salário mínimo.

Os eleitores devem decidir sobre 205 projetos do tipo em 37 Estados, segundo o Initiative and Referendum Institute, da Universidade da Califórnia.

A eleição de terça-feira determina quem controlará o Congresso, e os políticos têm usado os referendos como manobra para conseguir votos e para determinar o tema dos debates eleitorais, disse o presidente do instituto, John Matsusaka.

“Eles, na verdade, estão tentando determinar quem controla o Congresso”, afirmou, destacando em especial os projetos sobre a elevação do salário mínimo, esses defendidos pelos democratas.

No Missouri, onde se trava uma das disputas mais acirradas pela cadeira estadual no Senado, há uma consulta sobre o salário mínimo e outra sobre as pesquisas com células-tronco.

A democrata Claire McCaskill é favorável às pesquisas com células-tronco enquanto o rival dela, o senador Jim Talent, disse concordar com algumas formas desse tipo de pesquisa, mas não com todas.

“Onde há corridas muito disputadas, seja para o Senado ou para a Câmara dos Deputados, os projetos de lei tanto atraem eleitores como influenciam o voto das pessoas. Eles podem, portanto, ter um papel decisivo nas eleições”, disse Stephen Nicholson, professor de ciência política na Universidade da Califórnia.

Algumas questões, no entanto, possuem principalmente valor simbólico. Os eleitores do Estado de Nevada, onde há leis regularizando o jogo e a prostituição, devem decidir se vão descriminalizar a maconha.

“O referendo não mudará a lei federal, que proíbe a venda, a posse, o uso e o transporte de maconha”, explicou um guia para a eleição no Estado.