Retrospectiva 2010 – Esportes

0
1009

Dezembro

Brasileirão empolga até o final

Nos últimos anos, ninguém foi mais vencedor do que o técnico campeão brasileiro de 2010. Muricy Ramalho levantou três taças com o São Paulo ( 2006 a 2008) e repetiu a dose agora com o Fluminense. O campeonato chegou à última rodada com três candidatos ao título, mas acabou ficando com o time comandado por quem é especialistas em pontos corridos.
Com um time de estrelas (Deco, Emerson, Fred e Conca, este o craque do torneio, só para citar os quatro principais), Muricy soube administrar o ego do elenco e mesclou a arte com a competência de peças importantes. Durante as 38 rodadas, o Tricolor foi o mais regular e resgatou um título que não vinha há 26 anos. Pior para o Cruzeiro e o Corinthians, que ainda sonhavam com o título, num dos campeonatos mais disputados do mundo.
Quase uma semana depois, o Flu ganhou outro Brasileirão, mas desta vez sem precisar suar em campo. Em decisão polêmica, a CBF decidiu unificar as conquistas nacionais antes de 1971, favorecendo não apenas o clube das Laranjeiras, mas também o Cruzeiro, o Bahia, o Botafogo e, principalmente, Santos e Palmeiras – estes dois últimos agora detêm oito títulos cada. Justiça para o Rei do Futebol, Pelé, que assim passa a ser o jogador com o maior cartel de títulos brasileiros: seis.

Fluminense leva o título, consagrando o técnico Muricy Ramalho

Nos últimos anos, ninguém foi mais vencedor do que o técnico campeão brasileiro de 2010. Muricy Ramalho levantou três taças com o São Paulo ( 2006 a 2008) e repetiu a dose agora com o Fluminense. O campeonato chegou à última rodada com três candidatos ao título, mas acabou ficando com o time comandado por quem é especialistas em pontos corridos.
Com um time de estrelas (Deco, Emerson, Fred e Conca, este o craque do torneio, só para citar os quatro principais), Muricy soube administrar o ego do elenco e mesclou a arte com a competência de peças importantes. Durante as 38 rodadas, o Tricolor foi o mais regular e resgatou um título que não vinha há 26 anos. Pior para o Cruzeiro e o Corinthians, que ainda sonhavam com o título, num dos campeonatos mais disputados do mundo.
Quase uma semana depois, o Flu ganhou outro Brasileirão, mas desta vez sem precisar suar em campo. Em decisão polêmica, a CBF decidiu unificar as conquistas nacionais antes de 1971, favorecendo não apenas o clube das Laranjeiras, mas também o Cruzeiro, o Bahia, o Botafogo e, principalmente, Santos e Palmeiras” estes dois últimos agora detêm oito títulos cada. Justiça para o Rei do Futebol, Pelé, que assim passa a ser o jogador com o maior cartel de títulos brasileiros: seis.

Agosto

Inter conquista a Libertadores

Numa trajetória emocionante, que teve até gol decisivo aos 44 minutos do segundo tempo em um duelo contra os argentinos do Estudiantes nas quartas de final, o Internacional de Porto Alegre conquistou a América mais uma vez. Os gaúchos foram bicampeões da Taça Libertadores 2010, num ano que haviam perdido o torneio regional para os maiores rivais.
A vitória no campeonato mais importante do continente deu o direito à equipe de Celso Roth disputar o Mundial Interclubes da Fifa. No entanto, uma ‘zebra’ do Congo – o Mazembe – destruiu o sonho de nova conquista.

Julho

Nos pés de Xavi, o resgate do futebol-arte

Espanha ganha a Copa com talento e postura ofensiva. Brasil e Argentina foram as decepções

Que os pernas de pau me perdoem, mas talento no futebol é fundamental. E para comprovar a teoria, o melhor time venceu a Copa do Mundo de 2010, a primeira realizada no continente africano. A Espanha de Xavi, Iniesta e David Villa resgatou o futebol-arte e venceu com justiça o Mundial, derrotando a Holanda na Final. O Brasil, que adotou o estilo truculento de seu técnico, o ex-cabeça de área Dunga, abandonou o sonho do hexa pelo caminho e jamais encantou o público.
Também pudera: craques como Ganso e Neymar foram deixados de lado na Copa, em detrimento de jogadores mais defensivos, como Felipe Melo e Elano. Sem muita inspiração, o time não correspondeu, nem contra os adversários mais fracos da primeira fase. A derrota nas quartas de final acabou promovendo mudanças radicais no comando da Seleção, que agora tem no comando Mano Menezes “cuja responsabilidade é preparar o terreno para que o título venha em 2014, em casa.
Mas a Copa da África também teve outras decepções, como o astro-galã português Cristiano Ronaldo e a Argentina do técnico Maradona e de seu pupilo, Messi “que não marcou um gol sequer e deixou claro que é um jogador bem mais eficiente quando veste a camisa do Barcelona. O que dizer da vuvuzelas, que atormentaram a torcida em todos os estádios com um barulho incessante? No final de 30 dias, só um fato chamou mais a atenção do que o futebol bonito da Espanha: a musa paraguaia Larissa Riquelme, celebridade instantânea do Mundial, depois de ter aparecido com um celular em local estretégico. Que venha 2014!