Retrospectiva 2011: A comunidade brasileira em 2011

0
993

A fim de facilitar o entendimento dos leitores, dividimos a Retrospectiva por meses do ano, destacando os assuntos que foram notícias em 2011 nas páginas do AcheiUSA.

Janeiro

A maior catástrofe já registrada na Região Serrana do Rio de Janeiro foi uma tragédia sem proporções naquela área. O infausto acontecimento provocou uma corrente de solidariedade na país, muitas críticas às autoridades estaduais e respingou até mesmo em Fernanda Martins, moradora de Boca Raton e frequentadora da Primeira Igreja Batista de Pompano Beach.

Ela contou que a casa da família dela em Nova Friburgo foi invadida pela tromba d’água, resultando na morte de seis pessoas, entre elas a irmã de Fernanda, Sara, três sobrinhos com idades de 8 a 15 anos, e o cunhado. Estou vivendo um pesadelo, às vezes acho que vou acordar e ver que nada disso aconteceu, disse Fernanda, muito abalada.

Ela a a família foram confortadas pelos amigos da PIB. É tudo muito triste. A casa da família da Fernanda era boa, mas a chuva foi muito forte. Vamos orar para que Deus esteja consolando e restaurando aquele povo, disse Silair Almeida.

A igreja, por sinal, arrecadou uma oferta especial para ajudar as vítimas das chuvas. O dinheiro foi levado pessoalmente pelo pastor, que viajou para o Rio de Janeiro depois da tragédia.

E a comunidade brasileira nos EUA deu uma demonstração de solidariedade ao reunir mais de 35 toneladas para as vítimas das enchentes na Região Serrana que mataram mais de 800 pessoas e deixaram 15 mil desabrigados. A quantidade de donativos superou a expectativa com o envio de vários tipos de itens para ajudar os flagelados.

No campo da legislação estadual , Bill Snyder, deputado republicano da Flórida, queria implantar um lei semelhante à do Arizona, mas encontrou respaldo na população. Todos temiam que isto pudesse prejudicar o turismo na região e resultar na perda de trabalhadores especializados.

A proposta foi debatida durante um encontro entre o parlamentar e a população em Palm Beach e, apesar de muitas vozes favoráveis a medidas anti-imigrantes, os argumentos apresentados por empresários e defensores dos direitos humanos foram mais convincentes.Estamos ajustando o texto, afirmou Snyder, sem contudo admitir que pretende abandonar os pontos polêmicos do projeto.
Para ele, trata- se apenas de uma modificação no conteúdo da proposta, que foi inclusive defendida pelo então candidato ao governo da Flórida, Rick Scott, hoje governador. Por trás da mudança estava o temor de que as medidas pudessem ser consideradas racistas, num estado cuja população é, em sua maioria, imigrante ou descendente de imigrante.

Em Miami dois policais foram mortos em tiroteio, quando estavam tentando capturar um criminoso fugitivo. Roger Castillo e Amanda Haworth foram baleados durante a tentativa de prisão de um criminoso que estava foragido da Justiça e era suspeito ainda de outro assassinato. Os dois policiais estavam usando colete à prova de balas, mas não resistiram aos ferimentos. Os tiros foram disparados por Johnny Simms, que também morreu no confronto.

O caso trouxe à tona a morte do sargento Chris Reyka, em Broward, ocorrido em 2007, quando ele levou cinco tiros de um dos ocupantes de um carro branco estacionado no Walgreen’s de Pompano Beach (Atlantic Avenue), durante a ronda. Até hoje o crime ainda não foi solucionado.

O assassinato dos policiais motivou debate no Congresso estadual e a senadora Gwen Margolis a reapresentar o projeto polêmico sobre controle de armas e foi contestado pelo senador Greg Evers, defensor do direito ao porte de arma garantido pela Constituição.
Segundo ele, os crimes em Miami e em St. Petersburg realçaram a necessidade de que a população esteja preparada para enfrentar a violência cada vez mais comum na América.

Os cidadãos de bem precisam se proteger. Você não gostaria de entrar numa briga contra alguém com uma pistola se estivesse apenas com uma faca, argumentou o parlamentar republicano.

Por outro lado, a senadora Gwen Margolis é de opinião contrária e, inclusive, já apresentou outros projetos de controle de armas no estado.
Simplesmente não é sequer discutido, graças ao lobby dos fabricantes. Hoje qualquer pessoa pode comprar arma pela Internet, lamenta Margolis. De fato, existem na Flórida, atualmente, mais de 780 mil permissões de porte de arma, isso sem falar nas que circulam ilegalmente, como foi o caso no assassinato dos policiais.


Fevereiro

O sucesso de Vanderlei Tibolli, brasileiro que trabalhava na construção civil e hoje comanda uma empresa líder de mercado no competitivo mundo da beleza, foi destacado nas páginas do jornal.

Muita coisa mudou na vida dele desde 2006. Naquela época, este paranaense então com 26 anos de idade e espírito empreendedor trabalhava na construção civil aqui no sul da Flórida e decidiu faturar um dinheiro extra. Sua opção foi revender produtos de beleza à base de queratina, que na época faziam muito sucesso no Brasil, mas eram pouco conhecidos nos Estados Unidos. Acertou na mosca: hoje, apenas quatro anos depois, ele comanda uma empresa multimilionária com sede em Fort Lauderdale, a Global Keratin, mas que possui cerca de cinco mil representantes em mais de 50 países e que tem a incrível expectativa de crescimento de 600% em 2011. Não seria exagero dizer que Van é o exemplo vivo do sonho americano.

A jovem Gabby de Souza, que teve perna amputada, precisa da ajuda da comunidade para comprar uma prótese de 125 mil dólares. A adolescente brasileira que teve parte da perna amputada depois de ferimentos provocados pela hélice de uma lancha em Palm Beach, não corre mais risco de morte, mas inicia agora uma outra batalha: a família precisa de 125 mil dólares para adquirir uma prótese para que a menina, de 14 anos, tenha uma vida normal.

Tudo aconteceu no dia 5 de fevereiro, quando a jovem estava na praia no Pier de Juno. Ao ir ao encontro de amigos que chegaram em uma lancha bem perto da arrebentação, uma onda acabou jogando a embarcação na direção de Gabby e a hélice atingiu a perna da adolescente. Em estado crítico devido à excessiva perda de sangue, ela foi levada de helicóptero para o hospital St. Mary’s e já passou por duas cirurgias.

Os médicos tentaram, mas não conseguiram evitar a amputação, um pouco abaixo do joelho. Estamos agradecidos que Gabby está viva, pois ela correu muito risco. Ela é jovem, bonita e muito decidida. Vai se recuperar, disse a tia da brasileirinha, Roberta de Souza, que é professora de computação em Boynton Beach.


Março

No mês de março, começaram a surgir os boatos sobre a liberação dos turistas brasileiros da exigência do visto para entrar nos EUA. Houve muita expectativa de que fosse assinado um acordo bilateral para isenção dos vistos quando o presidente americano, Barack Obama, esteve no Brasil naquele mês. Mas a expectativa não se concretizou.

A inclusão do Brasil no chamado Visa Waiver Program é antiga reivindicação das empresas envolvidas com turismo em ambos os países, já que os brasileiros estão entre os grupos que mais visitam a América e que mais gastam. Em 2009, por exemplo, cerca 890 mil dos nossos conterrâneos passearam pela terra do Tio Sam, deixando aqui cerca de quatro bilhões de dólares. Em 2010, os números mostraram crescimento de 35% no número de turistas brasileiros que foram aos EUA e um percentual ainda maior no de gastos.

Mas para integrar a restrita lista de países com isenção de vistos, o Brasil precisa que o índice de rejeição de pedidos do documento caia para 3% e, segundo dados da U.S. Travel Association, o país já atende a este requisito. Atualmente fazem parte do programa 36 países, cujos cidadãos podem ingressar na América sem o visto de turismo ou negócios. O Visa Waiver Program nasceu em 1986.

Mas alguns brasileiros vêm para cá para sujar o nome de nosso país. Este é o caso de Valdeir Gonçalves Santos e José Carlos Oliveira que teriam torturado e esquartejado o casal Vanderlei e Jaqueline Szczepanik e o filho, Christopher. Os brasileiros estão sumidos desde dezembro de 2009 e a polícia de Omaha, no Nebraska, capturou mais tarde os autores do crime, que são conterrâneos das vítimas. E o assassinato, pelo menos de acordo com duas testemunhas-chaves, teve requintes de crueldade.

Suspeitos de terem usado o cartão de débito de Vanderlei mesmo depois de seu sumiço, os brasileiros Valdeir Gonçalves Santos e José Carlos Oliveira Coutinho também podem ser acusados formalmente de homicídio em primeiro grau, passível de pena de morte por injeção letal naquele estado. A polícia contatou as esposas dos suspeitos, em Minas Gerais, que admitiram que o crime foi cometido por motivação financeira.

Outra boa notícia que ficou apenas no terreno das intenções foi o esperado acordo previdenciário entre Brasil e EUA, que beneficiaria cerca de 500 mil emigrantes que vivem legalmente na América

O tema foi amplamente discutido durante as três edições da Conferência Brasileiros no Mundo, no Rio de Janeiro. O Embaixador Oto Agripino Maia, que hoje ocupa a repartição do Itamaraty em Atenas na Grécia, mas foi subsecretário Geral das Comunidades de Brasileiros no Exterior, participou de uma das reuniões em Washington, há cerca de dois anos, e na época destacou que o único empecilho ao acordo bilateral era a uniformização dos sistemas. Quem sabe possa ser aprovado em 2012.

E a cidade de Fort Lauderdale, completou seu 100º aniversário, com muita festa e shows pela cidade.

Também foi motivo de festa a comemoração de 20 anos de ministério junto à comunidade brasileira na região por Silair Almeida, pastor da Primeira Igreja Batista do Sul da Flórida desde 1991.

Criado em 2002 e transformado em lei no ano letivo de 2005, o programa Voluntary Pre-Kindergarten (VPK) voltado para crianças de quatro anos completos até o dia 2 de setembro do ano da matrícula – é oferecido gratuitamente para as famílias da região, independente do status imigratório. Em Lighthouse Point, por exemplo, a ABC Workshop oferece ainda transporte a preço de custo para os pais que não tiverem como deixar seus filhos na creche. Boa dica para quem trabalha fora e tem filhos pequenos.


Abril

Outro caso envolvendo brasileiros que não nos enche de orgulho. Ricardo Costa foi acusado pela ex-mulher de ter abusado sexualmente dos próprios filhos e teve o valor da fiança estipulado em 75 milhões de dólares, o maior já fixado pela justiça americana e 25 vezes mais alto do que o pago pelo cantor Michael Jackson em 2004, pelo mesmo crime.

E Ricardo ficou preso por mais de dois anos numa cadeia do estado do Arizona sem ter sido julgado, o que contraria o direito constitucional (emenda número 6) de um julgamento rápido. A família do brasileiro acusa a ex-nora, a americana Angela Martin, de ter montado toda a farsa que acabou levando o brasileiro para atrás das grades.

O drama de Ricardo começou logo após o Natal de 2008, quando a mulher o acusou de ter abusado dos três filhos do casal então com idades entre 5 e 12 anos em meio ao divórcio depois de quase 20 anos de união.

Ricardo recusou os acordos propostos pela promotoria de assumir a culpa e ganhar a liberdade imediatamente. Se assinar essa confissão eu jamais poderia provar a verdade aos meus filhos, pois provavelmente jamais poderia vê-los novamente, afirmou.

Uma reportagem da revista Época expôs divergências entre conselheiros e entre os membros titulares do Conselho de Representantes dos Brasileiros no Exterior (CRBE), ao acusar a entidade representantiva das comunidades brasileiras pelo mundo de ter discutido apenas questões irrelevantes nos cerca de quatro meses de atuação. Segundo a reportagem, foram membros suplentes que tornaram públicos os e-mails passados entre o grupo e os jornalistas acabaram destacando no texto os pontos negativos das conversas.

A revista prestou um desserviço ao país, pois não falou dos aspectos positivos e da atuação dos conselheiros, talvez porque isso não seja notícia para eles”, alfinetou o pastor Silair Almeida, integrante do CRBE pela América do Norte. Nesse sentido, ele lamenta que um trabalho que ainda está no seu início possa ser prejudicado antes mesmo de dar os frutos desejados o Conselho, com 16 titulares e 16 suplentes, tomou posse em dezembro de 2010, na 3ª Conferência Brasileiro no Mundo, no Rio de Janeiro.


Maio

A brasileira Doriane Carvalho teve um ano para se esquecer, depois que seu filho foi agredido por uma gangue local e quer se mudar do sul da Flórida. Jason, de 15 anos, foi agredido com uma barra de ferro na cabeça, teve fratura de crânio e ficou em coma por mais de um mês. Segundo Doriane, moradora de Pompano Beach, os autores do ataque foram elementos da Gangsta Disciples, uma gangue que vem atacando jovens no sul da Flórida.

Ele ficou internado no hospital Broward General, em Fort Lauderdale, onde foi submetido a duas operações no cérebro. No entanto, os médicos afirmaram

que o adolescente tem um longo caminho pela frente até a recuperação, com muita fisioterapia no Joe Dimaggio Hospital, em Hollywood. Algumas sequelas, porém, serão inevitáveis.

As sequelas psicológicas também parecem incuráveis e ela pensou seriamente em deixar a região.


Junho

O mês de junho começou com Centro Comunitário Brasileiro recebendo representantes da polícia do Condado de Broward para externar as reivindicações dos brasileiros, assustados com a possibilidade de serem presos simplesmente por estarem dirigindo sem carteira de motorista válida.

Mais do que isto, havia a suspeita de que a polícia de Broward estivesse envolvida num esquema para entregar imigrantes indocumentados para o ICE, fato que Michael Calderin, comandante responsável pelos Assuntos Externos do Broward Sheriff Office (BSO), e o tenente executivo Rafael Lopez, do distrito de Pompano Beach, negaram peremptoriamente.

Urbano Santos, porém, afirmou ter conhecimento da existência de um acordo entre as polícias e o pessoal dos órgãos federais: Mostramos a eles a cópia de um documento que afirma ser de exclusividade dos órgãos policiais locais a adesão a programas federais, como é o caso de chamar agentes do ICE (o braço executor de ações policiais do Serviço de Imigração dos EUA) para denunciar imigrantes indocumentados que estão detidos por pequenas infrações.


Julho

No mês de julho, o embaixador Luiz Augusto de Araújo Castro deixou o comando do Consulado Geral do Brasil em Miami. Ele aproveitou a oportunidade para dar uma entrevista ao AcheiUSA.

Araújo Castro veio para o Consulado Geral de Miami em janeiro de 2008 e, três anos e meio depois, assumiu novos desafios. Hoje ele é o cônsul geral do Brasil em Washington. Este consulado atende aos brasileiros que vivem no Distrito Federal e nos estados de Virgínia, West Virgínia, Ohio, Kentucky e Delaware.

No balanço do período em que esteve em Miami, ele considerou que este consulado é hoje um dos mais eficientes do mundo, graças sobretudo aos consulados itinerantes.


Agosto

A fim de ouvir da fonte oficial o que realmente está ocorrendo no Broward Sheriff Office (BSO), o AcheiUSA ouviu Al Lamberti, do sheriff do condado de Broward, que negou existir qualquer acordo entre o departamento que comanda e o ICE: Isto não existe. Não temos nenhum acordo deste tipo com o ICE. Aliás, é bom frisarmos para todas as comunidades estrangeiras que a atuação de nossa força policial concentra-se somente na detenção de malfeitores e não agimos de forma alguma como agentes do Serviço de Imigração.


Setembro

O policial brasileiro David Britto, Policial do Ano de Boynton Beach em 2010, foi o personagem do mês de setembro.

Membro da polícia de Boynton Beach por quase cinco anos, e ex-soldado do U.S. Marine, ele cortou a tornozeleira e fugiu da prisão domiciliar na casa de sua mãe em Coral Springs e embarcou de volta para o Brasil. Ele estava enfrentando uma sentença máxima federal de prisão perpétua por posse e tráfico de 500 gramas de methamphetamine, avaliadas em $17,000, entre junho de 2009 e março deste ano.

Britto saiu após pagar uma fiança de $100,000. Ele e sua mãe pagaram metade da fiança e a outra metade foi garantida por uma empresa de Miami chamada bailbonds.com. Roy Zemlock, o agente que assinou a caução para a companhia, disse que não se lembrava de Britto e desconhecia seu desaparecimento.

O jornal AcheiUSA foi o primeiro a noticiar o caso intrigante ocorrido na comunidade brasileira de Coral Springs. Adriana da Cunha Villaverde Naves, natural de Goiânia e vivendo há quase cinco anos aqui na Flórida, teria ido à Forest Elementary School, em Coral Springs pegar o filho Pedro Renato Villaverde Naves, de nove anos de idade, no dia 22 de agosto deste ano, e desapareceu.


Outubro

Depois de ter ganho a guarda do filho, a mulher decidiu voltar ao Brasil com o menor. O imbroglio entre a família Naves e Adriana Villaverde chegou ao fim com o retorno dela e do filho Pedro ao Brasil. A mulher sequer compareceu à audiência marcada na corte, em Broward, para expor seu caso ao juiz.

Viviane Naves, cunhada de Adriana, confirmou que ela e o irmão (marido de Adriana) estiveram na corte, acompanhados pela advogada, no dia marcado, quando foram notificados de que a outra parte desistiu de comparecer. Segundo ela, a intenção de Adriana seria apenas se legalizar aqui nos EUA, “por isto montou esta farsa, uma vez que ela não reuniu evidências de ter sofrido abuso doméstico, e os policiais que ouviram o menino confirmaram que Pedro disse nunca ter visto seu pai bater na mãe”.

Elora Andrade, advogada de Adriana, ficou perplexa com a decisão dela, mas disse ter compreendido o motivo pelo qual fez isto: “Foi uma decisão conjunta entre ela e a família no Brasil. E isto não configura sequestro porque, segundo as leis americanas, um pai legítimo pode viajar com o menor, desde que tenha os documentos em ordem”.

Agora, o caso passou para a jurisdição brasileira, uma vez que tanto ela como o marido e o filho são cidadãos brasileiros, finalizou a advogada.

Baiano de Salvador, Hélio Vitor Ramos Filho assumiu Consulado-geral do Brasil em Miami. Ele foi transferido de Brasília para a Flórida, mas tem 30 anos de carreira diplomática e ocupou vários cargos de terceiro e segundo secretário em diversos países.
Ele integrou conselhos de empresas como Petrobras e Eletrobrás, e funções no Ministério das Minas e Energia, onde chegou a ocupar o cargo de ministro de Estado interino, em 2001.

O embaixador ficou surpreso com o dinamismo da comunidade. Não tinha ideia de que nossa comunidade fosse tão dimensionada, reunindo cerca de 300 mil brasileiros, e nosso consulado funciona muito bem e está adequadamente instalado, apesar de já começar a ficar pequeno.Prometeu dar continuidade à administração de seu antecessor e quer aprimorar ainda mais os serviços consulares.

Em outubro, também voltou à baila a isenção de vistos brasileiros para entrar nos EUA. Entrevistamos dois conceituados advogados americanos, de Washington, que estão participando ativamente deste processo, chamado internamente de US Visa Waiver. Marc Frey e Stephen Heifetz têm bastante experiência na área pública e trabalharam em diversos órgãos governamentais, inclusive no Departamento de Segurança Interna.

Eles acham ser plausível o governo americano liberar o Brasil, Argentina e Chile desta exigência apesar de estarem com percentual em torno de 5%, ou seja, acima do que reza a lei, que fixa o número em 3%. O volume de dinheiro gasto pelos turistas brasileiros aqui é um fator muito forte em prol desta isenção.


Novembro

Força Jovem e Fazenda da Esperança, dois projetos para recuperar jovens brasileiros drogados, foram temas de uma das edições de novembro, que, aliás, teve boa repercussão.

O Força Jovem surgiu como fruto da abnegação do casal Elias Ribeiro de Faria e Ellen Amaral de Faria, que vive há 10 anos nos EUA. Eles resolveram agir depois que o filho começou a se envolver com más companhias e trocou as idas à Igreja Adventista, à qual sempre pertenceu, por baladas nos fins de semana, regadas a muita bebida, cigarros e… Drogas. Mas, em vez de partir para a condenação e a recriminação, o casal adotou uma estratégia surpreendente, que se revelou eficaz. Decidimos, então, trazer os amigos de meu filho para dentro de casa para conhecê-los e participar ativamente deste processo. O resultado foi excelente, com um alto índice de recuperação de drogados.

O Fazenda da Esperança, trazido para cá pelo casal José Joaquim Almeida (Quinzinho) e Leda, também especializou-se em recuperar jovens drogados. Morando há 13 anos nos EUA, eles também sofreram ao descobrir que o filho se envolvera com drogas. Católicos fervorosos, decidiram lutar para trazer o rapaz de volta para o caminho do bem. Ele foi enviado para uma unidade da Fazendo da Esperança, em Mossoró (RN), para se recuperar. Agradecido por ter o filho se libertado das drogas, Quinzinho conversou com alguns padres para trazer para a Flórida o projeto da Fazenda da Esperança, que ainda não estava em solo americano.

Quinzinho contou como o projeto começou a virar realidade: Dei meu depoimento e Claudinei Senhoretti, da Sienna Motors, ficou tão emocionado que doou 20 acres e pudemos pensar em viabilizar o projeto. Com o terreno em Lake Placid doado em 2009, a Fazenda Esperança da Flórida espera conseguir atingir o nível das co-irmãs do Brasil e de outros países. Para isto, precisa atender a três princípios básicos: ganhar um terreno, ter um responsável e receber a bênção de um bispo.

A Fazenda da Esperança surgiu na cidade de Guaratinguetá, interior de São Paulo, e teve a benção do ida do Papa Bento XVI, quando ele visitou o Brasil em 2009.

Por falar em drogas, a brasileira Luana Santos foi pega por policiais de Broward num esquema para prender quem vende entorpecentes. Depois disto, começou o calvário de Nara Freitas para tirar a filha da prisão.

Embora reconheça a culpa da garota, ela teve de arrumar $25,000 para sua filha deixar a cadeia. Entretanto, mesmo depois de ter pago a fiança, Luana continua presa, sob alegação de que o Serviço de Imigração pediu para ela continuar detida. Todavia, ela nem foi encaminhada para uma cadeia de imigração e nem foi colocada sob liberdade condicional, usando tornozeleira eletrônica de monitoramento.

Isto se tornou um pesadelo para a mãe que já gastou quase $50 mil e está com a situação pendente. Ela sabe que o crime de tráfico, pelo qual Luana foi presa, não tem perdão e sequer a filha pretende fugir de suas responsabilidades com a Justiça. “Apenas queremos que ela saia da prisão e fique em casa para poder ajudar a cuidar de sua filha de 5 anos, que está sentindo falta de Luana”, suplicou a mãe da brasileira.

O envio de bens pelo sistema de caixas através das empresas de transporte marítimo que lotam contêineres com mercadorias de diversos clientes, mas segue em nome de apenas um deles, foi outro tema sensível abordado pelo jornal este ano.

O despachante aduaneiro José Augusto de Souza, disse que isto se configura uma violação às leis de importação e exportação do Brasil, porque pode significar uma tentativa de ludibriar os fiscais da Secretaria da Receita Federal evitando que alguns produtos sejam taxados com o imposto de importação.

Ele explicou didaticamente que este tipo de recurso é irregular e pediu às pessoas para evitá-lo A maneira correta de enviar os bens pessoais quando se tratar de bagagem desacompanhada/mudança internacional é estar há mais de 12 meses fora do Brasil e enviar somente seus pertences de uso pessoal, disse José Augusto.

O caso de David Britto teve mais desdobramento, com a condenação de Janiber Jane Vieira, mãe do foragido, sendo condenada a um ano de prisão, por ter sido cúmplice da fuga de David e por ter omitido informações para as autoridades policiais. A pena acabou sendo branda e ela deve deixar a cadeia em meados de 2012.


Dezembro

“Taste of Brazil” foi um evento que mobilizou Miami e contou com a presença de representantes de órgãos de turismo do Rio de Janeiro, Bahia e Amazonas. Um festival culinário, realizado no Intercontinental Hotel, sob o comando da chef Deborah Rosalem, foi elogiado por todos e serviu para vender ao pessoal do trade turístico estes destinos como opções de viagem. O evento foi tão bem sucedido que deve repetir-se em 2012.

Uma associação dedicada aos portadores de câncer, a Pink Party Foundation, foi destaque em razão do trabalho das fundadoras Rosane Travassos e Ana Melo. Embora seja nova, a fundação espera ganhar mais força a partir de 2012 com a adesão de voluntários e patrocinadores que possam doar seu tempo e dinheiro em prol daqueles que estão doentes e passando por dificuldades financeiras.

Como dezembro parece ser o mês da caridade, o AcheiUSA divulgou também o drama vivido por Tatiana Soalheiro, vítima de uma atrofia muscular degenerativa que a impede de sair da cama, e o de sua mãe, Jayne, que luta desesperadamente para dar conforto à filha e mantê-la viva, na esperança de recuperação. É uma luta árdua, no entanto, porque somente em remédios a mineira de Belo Horizonte gasta mil e quinhentos dólares por mês. Agradecida pela reportagem, ela continua aguardando pelas doações.

Na penúltima edição, alertamos sobre os golpes praticados por pessoas que se prontificam a levar malas para o Brasil e cobram por este serviço. O resultado é o incauto ficar sem o dinheiro e sem as mercadorias que estão dentro da mala.

E o ponto alto foram as mensagens de fim de ano enviadas pelo cônsul geral do Brasil em Miami, Hélio Vitor Ramos Filho, e por líderes empresariais, comunitários e religiosos a todos os leitores do AcheiUSA