Senador diz a colegas que reduzirá poderes da diretoria-geral do Senado

0
537

Em conversas com senadores após o discurso na tribuna do plenário, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), assegurou que pretende apresentar nos próximos dias medidas administrativas como resposta à crise provocada pela edição de atos secretos na Casa. Sarney disse a um grupo de senadores que estuda anunciar um corte de 40% nos gastos da instituição.

Ele ainda pretende reduzir os poderes da diretoria-geral do Senado para evitar que o órgão concentre os poderes administrativos da Casa. Sarney também quer repassar à Mesa Diretora os poderes sobre assuntos administrativos que atualmente estão concentrados nas mãos do diretor-geral.

Em 1996, a FGV (Fundação Getúlio Vargas) sugeriu à Mesa Diretora o fortalecimento da diretoria-geral, o que provocou o acúmulo de poderes nas mãos de Agaciel Maia – ex-diretor-geral do Senado que ficou por 14 anos no cargo.

Na tentativa de preservar a imagem do Senado, senadores do governo e da oposição também sugeriram a Sarney novas medidas administrativas. A principal proposta é transferir ao plenário da Casa a escolha do diretor-geral, apresentada pelo PSDB.

Pela tradição, cabe ao presidente do Senado indicar o diretor-geral, mas os tucanos agora querem que a escolha seja submetida à votação no plenário. Senadores querem evitar que o servidor que concentra o maior poder administrativo da Casa tenha ligação direta e exclusiva com o presidente.