Senador dos EUA se desculpa por chamar Obama de “negro limpo”

0
709

Um dia após anunciar sua candidatura à Casa Branca, o senador democrata Joseph Biden teve de se desculpar por ter feito um comentário supostamente racista contra outro presidenciável democrata, o senador Barack Obama.

Biden reconheceu ter empregado uma palavra inapropriada ao dizer que Obama é “a primeira figura pública afro-americana que é articulada, inteligente, limpa e é um cara boa pinta”.

De acordo com o senador, em vez de usar a palavra “clean”, que quer dizer literalmente “limpo”, ele deveria ter empregado o termo “fresh”, que pode ser tanto um sinônimo de limpo, como também usado para designar alguém ou algo que é novo ou recente.

Em entrevista ao programa humorístico americano Daily Show, Biden afirmou que o que ele quis dizer era que Obama “tem novas idéias, é uma novidade”.

Biden, que é senador pelo Estado de Delaware, contou ter conversado pessoalmente com o senador Obama, que representa o Estado de Illinois. Biden disse ter também contactado dois ex-candidatos presidenciais negros, os reverendos Jesse Jackson e Al Sharpton.

Michael Jordan

O apresentador do Daily Show, John Stewart, interrompeu o senador, indagando se ele também havia contatado outros célebres ícones afro-americanos como o jogador de basquete Michael Jordan e integrantes do grupo Jackson Five, despertando risos da platéia.

Biden riu e voltou a enfatizar: “Olha, o que eu estava tentando ser, mas acabei não fazendo de uma forma inteligente, era ser elogioso. Este é um cara incrível, um fenômeno”.

Obama divulgou um comunicado no qual afirmou não ter levado os comentários do senador de forma pessoal, mas se opunha à forma como ele aparentou colocar para baixo ex-candidatos presidenciais negros.

Polêmicas

Essa não é a primeira polêmica envolvendo Barack Obama. Recentemente, o jornal “Washington Times” divulgou uma história na qual dizia que o senador havia estudado durante a infância em uma madrassa, uma escola muçulmana, na Indonésia.

O jornal disse ainda que a informação havia sido vazada por uma fonte ligada a outra presidenciável democrata, a senadora Hillary Rodham Clinton.

Poucos dias depois, a rede de TV CNN apurou que a história era falsa, após ter ido à escola onde Obama estudou na Indonésia e descobriu que o colégio é secular e apenas conta com alguns estudantes muçulmanos.

A assessoria de Hillary Clinton qualificou a notícia de que teria vazado as informações contra Obama como sendo como uma mentira e um truque sujo da direita americana.