Série brasileira exibe histórias de imigrantes de países que disputarão a Copa

0
887

Programa vai mosttrar como os imigrantes contribuíram para a formação da identidade de cada país

A Rota dos ImigrantesDA REDAÇÃO COM AGÊNCIAS – O documentário “A Rota dos Imigrantes”, que retrata a história de vida de imigrantes com origem em países que disputarão a Copa do Mundo, será exibidio durante todo o mês de junho na TV Brasil.

Serão exibidas histórias dos imigrantes da Argentina e Holanda; Alemanha e Austrália; Colômbia e Irã; Chile e Coreia; Itália e Suíça; Camarões e EUA; Equador e Rússia; Bélgica e Honduras; França e Uruguai; Bósnia e Inglaterra; Costa do Marfim e Portugal; Grécia e México; Croácia e Nigéria; Argélia e Espanha; Brasil e Gana.

A nova série faz um raio-X dos imigrantes oriundos dos países que disputarão a Copa do Mundo no Brasil. BR14 – A rota dos imigrantes é uma série documental composta por 32 minidocs, que serão exibidos em 16 episódios diários, de 26 minutos cada. A ideia é mostrar o estilo de vida desses imigrantes e seus descendentes, os seus hábitos e comportamento comum. Como esses imigrantes contribuíram para a formação da identidade brasileira? Quais as curiosidades e principais traços que estão enraizados na cultura nacional? Essas e outras perguntas serão respondidas nos episódios.

Na estreia, a atração desvenda os imigrantes do Japão e da Costa Rica. O telespectador vai conhecer a história de Rodrigo, paulistano, filho de uma japonesa com um brasileiro. É o único dos filhos que fala a língua de sua mãe. Curioso e fascinado pela cultura japonesa, Rodrigo topou viajar para Tomé-Açu, no Pará, para conhecer uma pequena comunidade japonesa no meio da floresta, que ainda mantém uma série de tradições desde a época em que os primeiros imigrantes pisaram na região, na década de 1920. Rodrigo visita a única escola, dá uma aula de mangá, conhece um instrutor de sumô e o time de beisebol.

Já Sara Devandas Garro, de 38 anos, é assistente social e mora há três anos em Natal, no Rio Grande do Norte. É apaixonada pela Bahia e pelo livros de Jorge Amado. Não foi à toa que casou com um baiano e jura que Costa Rica e Salvador tem muito em comum. Sara é dançarina de danças tradicionais e sente muita falta de mais contato com a cultura de seu país no seu dia a dia. Para estar mais perto do lado cultural dos seus compatriotas, Sara viajou para Salvador com o objetivo de conhecer alguns costarriquenhos e entender como fazem para manter a ligação com a cultura do seu país.