Visitantes brasileiros e chineses invadem a Flórida em busca de negócios e lazer

0
710

Imóveis em Orlando também estão em alta, seguindo a tendência de recuperação impulsionada pelos estrangeiros

Joel Stewart

Recentemente tive o prazer de conhecer Alex Silva, da Contempo Imóveis, em Davenport, Flórida. A cidade fica próxima de Orlando, mais ainda perto da Disneyworld e das comunidades famosas do Celebration que parece estar sendo bastante procuradas. Alex também passou muitos anos como corretor de imóveis em Miami Beach, mas foi para Orlando para participar do boom que está se verificando naquela região.

Alex e seu grupo têm um plano de negócio interessante para os investidores. Eles constroem as casas em comunidades planejadas de condomínios perto da Disney e depois as vendem aos investidores e depois as arrendam de volta para alugá-las aos turistas. O mercado das viagens de férias extrapolou a reserva de quartos de hotel para incluir em grande escala casas ou “villas” com piscina privada em cada casa, campos de golfe na comunidade, clubhouses com lojas profissionais e piscinas olímpicas.

A experiência da Contempo é o contrato com as companhias aéreas internacionais para vender os pacotes para turistas estrangeiros, no passado, principalmente da Europa, que compravam um bilhete de avião e o aluguel da casa por uma semana ou mais, mas o mercado foi recentemente ampliado para incluir os brasileiros.

O mercado imobiliário em Miami está consideravelmente aquecido, mas o mercado de Orlando também está despertando. De acordo com agências americanas de notícias, as vendas em Miami respondem por cerca de 25% e em Orlando, pelo menos, por 12%. Não é nenhum segredo que muitos dos compradores são brasileiros, e isso é bom para a economia da Flórida.

Frank Ryll, diretor Global da Câmara de Comércio da Flórida, falou recentemente para a recém-criada Câmara de Comércio de Tampa e disse que o turismo para a Flórida deve dobrar no futuro próximo. Não são apenas os brasileiros o principal parceiro comercial da Flórida–agora também os chineses estão chegando.

Em uma reunião recente do Fort Lauderdale Alliance, com foco em visitantes, turistas e investidores chineses, a conversa focada em navios de cruzeiro, excursões comerciais e investidores imigrantes (EB5), fiquei espantado ao saber que o Broward College, em Fort Lauderdale, tem uma programa especial para Controladores de Tráfego aéreo chinês. Eles perceberam que a aviação estava crescendo muito com o desenvolvimento de novos aeroportos e um número maior de chineses voando ao redor do país. Há 65 controladores aéreos chineses inscritos no programa. Enquanto isso, os brasileiros têm vindo para a Flórida há anos para estudar aviação e outras profissões. A Alliance Française em Miami me disse que mais da metade dos alunos são os latino-americanos, incluindo muitos brasileiros, que vão para a Aliança para estudar francês.

Curiosamente, alguns empresários da Flórida afirmam que os brasileiros, que procuram vender mais produtos brasileiros no exterior, podem fazer grandes lucros investindo na Flórida, onde o mercado imobiliário ainda é relativamente barato e as oportunidades de negócio abundam. O mesmo argumento pode ser feito para americanos que queiram investir no Brasil. Deve ficar claro para todos que o comércio internacional é uma via de mão dupla entrada e saída e proveitosa para todos os interessados.
O mundo está numa recessão grave, mas, na Flórida, Brasil e China, você não iria reconhecê-lo!